terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Em defesa de Cavaco Silva

Não quis que Cavaco Silva fosse eleito, e apelei a que se votasse contra ele. Mas não vou assinar a petição que apela à sua demissão, nem considero que a mesma faz grande sentido.

Quando soube das notícias relativas às suas afirmações infelizes, também me indignou a desonestidade da omissão, e o alheamento da realidade do país. E por isso achei muito engraçadas as primeiras rábulas apelando à «solidariedade social» com a «situação de miséria» do presidente. Achei menos piada às segundas, e terceiras, mas compreendi que a situação estava «a pedir» tal sátira, e que era normal que a mesma ideia ocorresse a diferentes humoristas. Mas as rábulas continuaram... e continuaram... e continuaram... A piada sempre a mesma.

Depois soube da petição, e pouco depois da iniciativa de ir ao Palácio de Belém. E nesse momento, a obsessão com este momento menos feliz do Presidente já me começou a incomodar.

Incomodou-me porque está em risco a construção de uma nova PIDE e ninguém parece notar. Incomodou-me porque se delapidam os recursos do estado de forma pouco transparente ou assumidamente desonesta a uma velocidade avassaladora, e ninguém parece notar. Incomodou-me porque conhecemos mentiras bem mais sérias e substanciais que esta do presidente, e ninguém parece notar.

Faz mesmo sentido apelar à demissão de alguém por causa de umas declarações infelizes aos jornalistas, que nem sequer ocorreram no exercício das suas funções? Com tantos milhares de boas razões para apelar à demissão de tantos líderes políticos - é esta petição que faz notícia pela sua popularidade? Pode ser um indício de um protesto que começa a ultrapassar as instituições, como escreve o Ricardo Alves, mas é também um indício de como precisamos de um eleitorado mais atento e vigilante, que consiga separar o que é importante de fait divers acessórios.

Fico com vontade de dizer, e desta vez não é sátira nem ironia: tenham dó de Cavaco Silva.

9 comentários :

  1. João Vasco,
    não sabes se as pessoas que pedem a demissão de Cavaco não estão a somar muitas dessas razões que mencionas...

    ResponderEliminar
  2. Subscrevo o Ricardo Alves.
    É todo um somatório de situações. Eu ainda não me esqueci do discurso na noite eleitoral. Não me esqueci da pose de arrogância, de superioridade moral de Cavaco Silva. Não me esqueci do caso das escutas, nem da gritante dualidade entre discurso e acções deste senhor.
    Estas declarações foram a gota de água. Mostram um total alienamento do Presidente da República face à realidade a que preside. Só isso seria bastante para pedir a sua demissão política (e não legal, uma vez que o parlamento não tem poderes para tal). Não podemos ter como representante máximo da nação um sujeito que está a milhas da realidade portuguesa.
    Nem vou à mentira, pois essa é fértil em política...
    O Presidente da República tem que perceber que a situação do país é grave, muito muito grave, e que ele é um símbolo de poder, de orientação e que, com estas declarações, mostrou-se totalmente incapaz de o ser. Eu assinei a petição porque quero mostrar um cartão vermelho ao presidente. Eu assinei a petição porque quero que ele passe pela vergonha de ser o único presidente da história da 3ª república portuguesa a ouvir um parlamento discutir a sua destituição.

    ResponderEliminar
  3. Ricardo Alves disse...

    João Vasco,
    não sabes se as pessoas que pedem a demissão aqui há uma semana atiravam-se aos mações ao kadahfi ao violador de telheiras...

    as pessoas por mais instruidas que sejam solitariamente são imbecis
    (em multidão - há sinergias)

    quando em 2000 e picos
    sócrates dizia que ia reformar o estado houve palermas que acreditaram nisso nos primeiros 6 meses (o estado estava e está nexexxitadinho de reformas que a Cavaca das Caldas podia ter feito (ele e soares (e sócrates)foram os únicos com poder político para isso)
    mas milhões de imbecis continuaram a acreditar na equipa de sócrates até depois de ter posto o Pinho a mexer

    e é gente desta que come tudo e que se indigna por nada

    que quer pôr a cavaca na rua?

    para pôr o quê?

    é que Manuel Alegre seria inócuo na 1ª legislatura e até um sinal contra sócrates e o seu Soares

    mas Alegre revelou-se ainda mais inepto que nobre

    logo ia quem para o lugar durante os anos difíceis que nos esperam

    já a Cavaca morrer é uma catástrofe...

    se calhar ia Guterres o manso para a presidência

    e esse ainda era o melhor candidato

    valhA-NOS SÃO Bagão
    da arabia felix

    ResponderEliminar
  4. o gajo do (alien a mento)alienação
    política sempre existiu e tem de existir pois governar não pode ser para a multidão

    56 anos de república governada por maçons e turbamultas deu mau resultado

    os 46 anos de ditadura efectiva tamém foram bastante mauzotes...

    com 10 milhões de interesses vários e poucos comuns...

    ResponderEliminar
  5. Em defesa de quem?

    Afoguem o jãobasco...vendido

    esquerdalha capitalista

    se calhar levas umas bolsas de investigação

    coma filha dele (Cavaca junior) que foi pó grupo de estudo da SIDA (com a ...asqueci-me do nome da velha)

    ResponderEliminar
  6. joão, o teu erro é achares que existe qualquer racionalidade por detrás de um acto colectivo de um grupo (cada vez maior) de cidadãos. 30 mil assinaturas talvez 30 mil razões distintas, umas mais racionais outras mais emotivas. mas, no final do dia, isso é irrelevante. o que interessa é o resultado da acção: se se revelar um ponto de viragem, se levar à queda de um político perigoso (e muito responsável pelo actual estado nacional), o que quer que seja que possa ajudar a parar esta loucura da direita é melhor do que estarmos 4 anos à espera de ver destruir o país. e, se isso acontecer, que interessa se foi pela pensão de cavaco, pelas mentiras de passos coelho, ou porque choveu no dia que querias ir à praia?!

    ResponderEliminar
  7. Ricardo Schiappa,

    Imagina que se tratava de um político do qual tu gostavas. Consideravas competente e reformista, mas tinha tido uma saída muito infeliz numa resposta aos jornalistas, a respeito de um comentário lateral sobre a sua vida privada. E imagina que as pessoas tinham reagido como estão a reagir agora. É evidente que denunciarias o absurdo da situação nesse caso.

    Que ficarias indignado com a desproporção dada a essas afirmações, que explicarias que as pessoas estavam a confundir o importante da acção política - as decisões, os vetos, etc... - com fait divers: um comentário lateral sobre a vida privada do político em causa.

    O JDC e o Ricardo têm razão quando dizem que a petição alude à carreira presidencial de Cavaco Silva como um todo, no último parágrafo. Mas facilmente um político importante tem mais de 30000 ou até 50000 pessoas que o consideram incompetente, inepto e falso. Esta petição está fundamentalmente ligada a esta gafe. Parece-me uma reacção precipitada e exagerada.

    Quanto a lutar para inverter este estado de coisas, há tantos bons motivos que podem ser usados como bandeira...

    De qualquer forma tive uma desilusão ontem quando vi as últimas sondagens:
    http://www.marktest.com/wap/a/p/id~112.aspx

    ResponderEliminar
  8. João,
    o protesto está bloqueado. Num contexto de PR/governo/maioria/autarquias tudo da mesma cor, as pessoas olhariam naturalmente para o maior partido da oposição como via de protesto. Mas o PS está morno. Fenómenos como o desta petição só mostram que as pessoas andam à procura de formas alternativas de protestarem.

    ResponderEliminar
  9. "Incuriosifica-me" saber quantos destes 15.000 ou 30.000 votaram, e em quem, nas últimas Presidenciais.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.