quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

A face de um traidor


Nuno Crato ganhou notoriedade e respeito públicos como divulgador da ciência. À data da sua nomeação para o governo, era o único ministro de quem tinha (alguma) expectativa positiva. Após decisões erradas que critiquei aqui, hoje chego à pior das notícias: o corte na Fundação para a Ciência e Tecnologia é de 39% em fundos. Muito pior do que o corte noutras áreas, menos relevantes para o futuro.


Confirma-se que Nuno Crato não é diferente dos outros ministros deste governo. E tem a agravante de estar a ligar o seu nome à inflexão no investimento em ciência. Um divulgador da ciência dos jornais revelou-se, no governo, uma espécie de ludita.