quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Novos bárbaros

Os cidadãos esperam da República que lhes garanta o ensino, a saúde, o acesso à cultura e o apoio na pobreza ou na velhice. Tudo dispendioso, mas não luxuoso: são esses serviços públicos que nos separam da barbárie social.

Não precisam os cidadãos que o Estado registe as suas conversas telefónicas, as escute, os vigie na rua, os fiche ou os torture. Todavia, existem serviços do governo, o SIS e o SIED, dedicados a essas práticas bárbaras e inquisitoriais. Seria uma piada de mau gosto qualificá-los de «serviços públicos».

A semana passada, um candidato ao respectivo Conselho de Fiscalização declarou aos deputados, caso único, «aceitar» a violação da Constituição (concretamente do artigo que garante o sigilo da correspondência). Os deputados, que estranhamente se esqueceram de lhe perguntar se aceitaria que o escutassem a ele, à família e aos amigos (ou aos próprios deputados), elegeram-no. Por maioria de dois terços, mas com a curiosa oposição de muitos deputados da maioria PSD-PS-CDS.

Ao cortar há dias alguma gordura desses serviços, Passos Coelho, ao que consta, puniu exactamente aqueles que divulgaram as infracções cometidas pelos colegas. É também caso único: um departamento do Estado em que denunciar crimes origina despromoção ou despedimento.

Sendo clara a deriva totalitária destes serviços e a sua impunidade, o melhor mesmo seria extingui-los.

3 comentários :

  1. os cidadãos abaixo dos 30 já nem 3 milhões são...a indústria farmacêutica nacional viu extintas as empresas de Lisboa e da linha de Coina

    logo numa população envelhecida e cada vez mais mantida viva não por alteração do modo de vida

    mas por via medicamentosa

    queria que fossemos todos tratados como o Jorge Coelhone ou o Eusébio?

    num país que tem de importar médicos e não tem força para os tirar do litoral?

    e ainda pensa que aprende alguma coisa?

    cê num tem capacidade de análise...


    um puto de 30 anos na ETV fez uma análise desapaixonada e magistral de Portugal em 7 minutos

    era de mais gente desta que o país precisa

    infelizmente só tem pessoas medrosas agarradas ao passado

    parecem os velhotes da RDA e da Hungry ahhhh em 91...
    Os checos eram os mais optimistas
    (engenheiros com 70 e 75 anos sairam da reforma e voltaram a trabalhar
    médicos velhotes davam consultas em estaleiros de obras

    o problema nos povos é A mentalidade colectiva (ou falta dela)
    portucale num tem cultura social
    é tudo Alves dos Reis

    ResponderEliminar
  2. Não percebo qual é a relação do seu comentário com o conteúdo do posto. Mas a falha deve ser minha, como é evidente.

    ResponderEliminar
  3. ó Homem tive desde as 2h30 minutos até agora na sucata...são 12 horas e tal de trabalho a mexer in lixo blogosférico (computs impressoras )
    e afins (latas de alumínio que boçês bebem nos intervalos)

    mas mim expilica

    Os cidadãos esperam da República
    (esperam é o síndroma da creança carente e da república paternalista que abusa do menor...

    que lhes garanta o ensino, a saúde, o acesso à cultura e o apoio na pobreza ou na velhice. Tudo dispendioso, mas não luxuoso: são esses serviços públicos que nos separam da barbárie social....ou seja 900 anos de Portugal ou de qualquer outro país foram barbárie?

    Pois percebi o ponto de vista perfeitamente

    Um gajo que é hoje doutor em economia y que tinha uma bolsa de estudo de 30 contos (e um carrinho que bebia isso nuns fins de semana) também dizia dessas

    Eu hei-de repor tudo com os meus impostos (infelizmente eles e os restantes trabalham todos para o estado

    Resumindo: pagam 40% para poderem receber 140% (100% em salário reforma mais 40% em subsídios vários...não dá

    só se imprimirmos toneladas de notas como o Zimbabué

    infelizmente só produzimos o papel as tintas e o metal das chapas tem de vir de fora
    e as energia eléctrica

    as impressoras já cá estão (devem durar até 2020)

    ainda não ?
    paciência

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.