terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Software Livre no Estado, um debate que tem de ser feito

O PCP estima uma poupança logo no primeiro ano de 50 milhões de euros, e o PSD (quando estava na oposição) de 40 milhões. Quando o Ministério da Saúde tem uma dívida pendente 7 milhões por software inútil, quando a Rússia planeia mudar toda a administração pública para software livre, quando há inúmeros casos bem sucedidos por esse mundo fora, há que perguntar porque é que o Estado português continua a pagar centenas de milhões de euros em licenças inutilmente à Microsoft.
Sejamos claros, 99% dos computadores na administração pública nada fazem para lá de tratamento de texto, folhas de cálculo e internet. Por estes há que pagar licença para o Office e licença para o Windows, o que implica valores altíssimos como todos sabemos. Faz sentido isto continuar, quando há software equivalente totalmente gratuito*?

*Falo apenas das licenças, os encargos com gestão, formação, etc. são equivalentes.

12 comentários :

  1. Não sei se, para as folhas de cálculo, haja software livre totalmente equivalente - o Open Office Calc é uma porcaria comparado com o Excel; talvez o Gnumeric (o gnumeric do Windows não tem tudo; não sei como funciona em Linux)

    ResponderEliminar
  2. o problema é a falta de capacidade dos utilizadores para utilizarem isso...como dix o Madeiro

    Mim dá exemplo uma empresa de camionage com dívidas à segurança social optou há 3 anos por equipar os pentiun's que tinha com programas de cálculo livre descobriu que o pessoal demorava 3 vezes mais tempo a processar as entradas e o nº de erros era maior

    o problema é que a máquina humana era e é conservadora

    em 2001 ainda muita empresa usava o excell de 95 porque os outros fazem confusão

    mim gosta não do windows 7
    ou dos 3 novos navegadores que substituiram os antigos

    virus e bloqueios são mais frequentes etc

    numa empresa com 10 camiões que precise de fazer 50 ou 60 cargas de contentores por dia
    (5 a 5,75 por camiõ)
    é muita factura
    desdobramento no caso de descargas múltiplas de um contentor e etc

    Resumindo: para apressar as coisas preferem o Excell

    nos serviços públicos com pouco movimento poderia funcionar

    mais barato ainda seria simplificar metade das burocracias
    como impressões de folhinhas para cada acto...etc em tripliquê

    e muita coisa poderia utilizar as pilhas de máquinas de escrever eléctricas e mecânicas compradas nos anos 90 e deixadas a enferrujar...
    ou vendidas a 8cêntimos o quilo para sucata

    ResponderEliminar
  3. Para a grande maioria dos cálculos o LibreOffice Calc (o Open Office foi de certo modo descontinuado há quase dois anos, e a comunidade open-source virou-se para o LibreOffice) é suficiente.
    Pessoalmente nunca tive nenhum problema, mas não é o tipo de ferramenta que use diariamente.

    Sabes-me apontar algum exemplo? Estou curioso.

    ResponderEliminar
  4. de resto com a data de empresas que vai falir com a greve da estiva

    acho que o funcionalismo não dura muito nestes moldes de consumo
    (podíamos voltar aos velhos tempos da máquina soviética que funcionava por cupões (poupa-se tanto papel...tenho umas saudades
    (o papel higiénico que dão é mais sofrível)

    ResponderEliminar
  5. há muitos é só fazer uma pesquisa...

    há até software especializado

    é perguntar ó krippahl
    mim vai retirar uns estilhaços às 16 h30 minuto ...bye

    ResponderEliminar
  6. É quase impossível fazer macros no Open Calc; e enquanto no Excel se gravarmos uma macro ela fica gravada na mesma linguagem usadas nas macros escritas pelo utilizador, em Open não (o que quer dizer que em Open não dã para usar o truque de, quando queremos por uma coisa numa macro e não sabemos que comando usar, gravar uma macro fazendo essa operação manualmente e depois ir ler o código que foi escrito para saber como usar os comandos).

    ResponderEliminar
  7. Ok, as macros que fiz no LibreOffice foram sempre muito básicas, de modo que não tive problema

    De qualquer, acho que o número de funcionários públicos que faz macros no Excel está dentro dos tais 1% que referi :)

    ResponderEliminar
  8. acho que o número de funcionários públicos que faz macros no Excel é relativamente baixo...excepção à classe dos profe's que são uns 100 mil no Básico e Secundário e uns 40 mil no politécnico e unibersitário

    mais o pessoal que faz relatórios de contas ou outros boletins de estatística abariada como fluxos das albufeiras previsões da colheita de maçãs e de plantação de mão-de-vaca com papas de serrabulho nos ministérios vários e institutos (hidrográfico e empresas púbicas câmaras de lobos
    uns 50 mil ou mais

    dá 100 mil e tal em 800 mil?
    aqui as águas publicam uns livrecos com tabelame todo macrado

    logo há muita malta...relatórios de insusexo escolá sem uns macrozitus inté parece mal...

    ResponderEliminar
  9. O Miguel Madeira deve ser um utilizador "pesado" que faz macros complicadas. Precisa do Excel, tudo bem. Para essas *excepçöes* pode-se comprar UMA-licença-UMA (que sempre dá para uns 3 a 5 computadores). Näo é necessário comprar licenças para todos os trabalhadores quando só 1% é que as usa. Também näo se compram Adobe Suites para todos, né?

    Para os outros 99% o OpenOffice serve às mil maravilhas. Os *resultados* dessas macros podem ser exportados para OpenOffice sem problema.

    ResponderEliminar
  10. Maquiavel disse...ópá nã eras profe numa escola qualquer ou esse é outro

    há linux e windows lado a lado...nº de utilizadores do linux

    0,0005%? pois

    tal como os sms e o uso da internet

    criam-se hábitos de uso

    os comportamentos obsecivus-dependentes geralmente perduram

    logo windows e não...

    ResponderEliminar
  11. isto é discussão de 2002, ferozmente rejeitada pelas mesmas pessoas do actual governo. lede o que diz o Nuno Melo e o Gonçalo Capitão:


    o Software Livre prejudica empresas e investigação


    é para esquecer , portugal é burgo da ms

    ResponderEliminar
  12. em princípio uma pessoa poder-se-ia adaptar ao software livre ou voltar à máquina de escrever

    mas os comportamentos adquiridos por anos de subjugação ao microsoft power fazem mossa

    de resto já nos anos 80 a Salvador Caetano perdeu uma acção em Portugal por usar cópias do ms-dos sem as pagar...e foi obrigada pelos termos do acordo a instalar ms-dos em todos os computes 286 que tinha

    mac e wang excluidos...
    e foi uma acção que transitou em julgado apenas em escassos meses

    incrível né...
    logo quase 30 anos (20 e tal anos
    depois tentar fazer o que nunca se fez?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.