domingo, 22 de janeiro de 2012

O que o Álvaro escreveu

O livro "Portugal na Hora da Verdade - Como Vencer a Crise Nacional", escrito por Álvaro Santos Pereira, actual Ministro da Economia e do Emprego, tem uma página que merece especial destaque.

É a página número 511:


É engraçado como o discurso é diferente antes e depois de chegar ao poder...

6 comentários :

Andre Esteves disse...

Isso é um livro?? Escrito pela personagem???

Lendo-o parece um monólogo gravado em cassete e posteriormente passado para letra e editado para «livro»...

roskoff disse...

bolas Jão Vasco da gama..nã adevias ter gamado o livro na FNAC...tá a 3 eurros no jumbo

e a riscares o livro ódespois já não o vendes

e foi a tua gaja que tratou de o ler e riscar nã?

bocês no IST sã analfabrutes funcionalis...

roskoff disse...

ó palerma...reformar o funcionalismo em Portugal?

nem o supra-funcionário Cavaco o quiz fazer quando tinha força e podia ter sido suave...

se nem o 1ºfuncionário do estado quer perder previlégios

adevias ver os outros

quando em 2004 começou o ataque aos segundos mais fracos...os professores

os militares foram perdendo a partir de 77 por razões políticó-maçónicas...

reformar o irreformável desde 1111?

cada vez são mais...

é que fora do estado vive-se mal....

36% dos impostos para reformas e subsídios

50% para salários e despesas de papel higiénico

30% para megalomanias investitória e púbicas empresas

dá 116%
o que precisamos nã é de reformas

é de mais impostos....

Luís Lavoura disse...

Qual foi o discurso do Álvaro, desde que ele chegou ao governo, em que ele contradisse este escrito?
Não recordo nenhum discurso do Álvaro contra os funcionários públicos.

João Vasco disse...

Luís Lavoura,

No discurso não foi tanto ele a dizer o oposto, mas sim os seus colegas de governo. E sendo esse discurso oposto estruturante para a estratégia de governação, se fosse coerente não aceitaria continuar no cargo.

Mas se não falarmos no discurso e sim na acção, naquilo que estava em seu poder o ministro fez tudo o que poderia fazer contrário a este discurso, desde a concertação social que afecta todos os trabalhadores incluindo os funcionários públicos, até medidas direccionadas para trabalhadores das empresas públicas (http://economia.publico.pt/Noticia/ministro-anuncia-fim-das-mordomias-para-trabalhadores-da-empresas-publicas-1515475) ou directamente para os funcionários públicos (http://www.agenciafinanceira.iol.pt/economia-nacional/funcao-publica-tolerancia-de-ponto-trabalho-estado-subsidios-agencia-financeira/1292785-5205.html).

João Vasco disse...

André,

Sim, tens razão. As repetições, tudo. Parece mesmo discurso oral.