domingo, 8 de janeiro de 2017

Na morte de Mário Soares

Sucedeu-me há poucas semanas, numa das minhas viagens no Intercidades. Topei logo a pinta do homem quando me dirigia ao meu lugar e verifiquei que estava ocupado por uma senhora de idade, com muita bagagem (na verdade ocupava dois). Sem nos deixar (a mim ou à senhora) abrir a boca, "destinou" logo que eu deveria sentar-me noutro lugar que não o meu. Sem lhe responder, acabei por fazer isso porque a senhora mo pediu, e não pela sua ordem.
O homem falava alto. O seu interlocutor não o conhecia, mas ele era do género que gostava de meter conversa com quem estivesse ao lado, para que os outros o ouvissem. E eu sem ir ao lado dele tive de o ouvir a dizer que a guerra "do ultramar" não estava nada perdida, os portugueses não tinham nada de ter abandonado as "províncias ultramarinas", e os capitães de Abril eram "uns traidores".
O seu interlocutor à força, enfadado com o companheiro de viagem que lhe calhara, deu-lhe uma resposta simples e lógica: "Pois, os outros países todos já tinham saído de África, e nós éramos os únicos que iam lá ficar com um império. Éramos os maiores."
O nosso homem nem lhe responde. Nem argumenta. Muda completamente de assunto - mas na cabeça dele não muda: tudo era exatamente a mesma coisa:
"Você sabe quanto é que o Estado português gasta na segurança da casa de praia do Mário Soares?"
O outro senhor ainda tentou ripostar: "você acredita em tudo o que lê?" Mas levou com um "Em Portimão toda a gente sabe." Deve ter-se sentido muito aliviado por o homem ter saído no Entroncamento.
Todos os portugueses já devem ter presenciado conversas destas. São conversas como a deste homem que fazem com que Mário Soares, concorde-se ou não com ele (e era perfeitamente possível não concordar com ele), tenha sido, como nenhum outro, o português que melhor permitia detetar quem não prestava. Quer saber se um português não presta? Ponha-o a falar sobre o Mário Soares.




sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

2016: o início de um novo ciclo?

Talvez daqui a dez anos olhemos para trás com a certeza de que foi em 2016 que o consenso do pós-guerra fria acabou. De 1989 até agora, parecia inevitável que a globalização era uma força irresistível e que a UE seria alargada e aprofundada, que cada vez mais Estados seriam democracias, que os EUA eram a única «superpotência», que o preconceito contra imigrantes e minorias recuaria sempre.

E no entanto, 2016 foi o ano em que o consenso que durava há um quarto de século foi abalado. O Reino Unido - um país nada menor - votou para sair da UE (estagnada), e os EUA pelo isolacionismo; a Turquia regrediu de democracia periclitante para semi-ditadura repressiva; os EUA foram superados pela Rússia na Síria e nas suas próprias eleições; a xenofobia ou até o racismo banalizaram-se nas campanhas políticas.

2017 chegará como um ano em que talvez tenhamos que aprender novos verbos, como «desglobalizar» ou «desdemocratizar». Em que o mundo pode ficar dominado por um eixo Trump-Putin, que entalará uma Europa desorientada e em crise permanente. E em que mais Estados europeus podem eleger maiorias eurofóbicas ou apenas euro-regressivas.


Os poucos sinais de esperança vêm de periferias: o primeiro governo apoiado por toda a esquerda em Portugal (passe o luso-centrismo) e a vitória do ecologista Van der Bellen na Áustria. Uma União Europeia que ajudou a terminar com a Guerra Fria porque prometia democracia e prosperidade tem que cumprir as suas promessas. E, ao mesmo tempo, a esquerda que era anti-imperialista tem que entender que a Rússia é o novo Império. Mas desconfio que Trump lhes vai explicar.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Sexo, natureza e tecnologia

A Juventude Popular parece-me confusa sobre aquilo que, na sexualidade, é natural (biológico, inato) e o que é cultural/tecnológico.

Notemos esta frase: «os alunos podem ter acesso a informação sobre a contracepção, mas também devem receber uma educação para a abstinência». Assume-se implicitamente que ter uma sexualidade activa e ser sexualmente abstinente são comportamentos igualmente prováveis (ou desejáveis?), o que reflecte presumivelmente o desconhecimento de que somos geneticamente «programados» para nos reproduzirmos. E que as muitas tentativas para «educar» as pessoas para não terem relações sexuais foram projectos falhados. O que funciona é a cultura/tecnologia: fornecer meios às pessoas para terem relações sexuais de forma segura e que só conduza à procriação quando quiserem. O líder da JP não percebe portanto a violação da natureza em que incorre quando diz querer «afirmar a dimensão natural da sexualidade, ensinar a abstinência a par da contracepção».

Outra frase, a propósito dos pais que não querem educação sexual nas escolas: «Estas posições têm de ser respeitadas, reforçando a centralidade da família, devendo o referencial preconizar diferentes modelos de ensino para a saúde em função das opções educativas dos pais». Primeiro, as decisões em matéria sexual são individuais, não familiares. Por exemplo: foram os indivíduos do sexo feminino que decidiram, no século passado, terem menos filhos (com a baixa natalidade resultante nos países desenvolvidos). Segundo, ter variações do currículo de ensino de acordo com a ideologia/religião dos pais (progressistas, ateus, católicos, islâmicos, conservadores, etc) é novamente partir do princípio que os impulsos sexuais são controláveis a partir da cultura, quando não são, quanto muito são enquadráveis tecnologicamente (preservativos, pílulas, etc).

A JP já tem alguma razão quando rejeita que «a identidade sexual [seja] uma característica fluida e artificial, mais dependente do meio social envolvente do que de características genéticas e naturais», o que só reforça o meu espanto pela confusão em que se atola noutras considerações em que nega a genética e a natureza.
Finalmente, a JP não quer que se ensine às crianças que a IVG é uma possibilidade legal. Fiquei sem saber se também não querem que se ensine às crianças que podem ter consultas de planeamento familiar.

sábado, 17 de dezembro de 2016

Debate «Portugal, Estado laico?»

O debate em que participei, no dia 15 de Dezembro, na Universidade Fernando Pessoa (Porto).

domingo, 11 de dezembro de 2016

A corrupção e os Trumps deste mundo

O que cria os «Trumps» deste mundo não é o interesse das pessoas envolvidas no processo político pelo tema da corrupção. Pelo contrário, os demagogos aproveitam o hiato que existe entre a revolta dos eleitores com estas questões, e o inaceitável tabu que existe entre as elites a este respeito.
É precisamente reconhecendo o problema e propondo respostas que se tira o espaço para o crescimento eleitoral destas forças políticas centradas na demagogia - por alguma razão Sanders, menos moderado ideologicamente que Clinton, tinha um apelo muito superior sobre os eleitores independentes. Todos os dados mostram que teria derrotado Trump.

Uma razão fundamental é que Sanders não hesitava em falar sobre o problema da corrupção sistémica, dos impactos catastróficos que tem, e da necessidade imperiosa de lhe dar resposta. Clinton e os seus apoiantes tentavam ignorar problemas como este:


O resultado: uma derrota eleitoral que muitos consideravam impensável. Há importantes lições a tirar dessa derrota (e outras do género), mas tentar ignorar o problema da corrupção no debate político não é certamente uma delas. A menos que as forças progressistas queiram continuar a cavar o buraco em que estão, de momento, enfiadas.

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Os desertos podem tornar-se verdes

O timelapse é uma nova função do Google Earth que, usando imagens de satélite, permite estudar a evolução de áreas do planeta ao longo de décadas.

Escolhi a série de imagens acima, de um deserto da Arábia Saudita, por mostrar eloquentemente como até um deserto se pode tornar fértil. Ao contrário do que muitas vezes se pensa, a inventividade e capacidade de inovação tecnológica da nossa civilização estão longe de estar esgotadas.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Mais sobre as alterações climáticas

Por muito que se fale neste tema, fala-se muito menos do que aquilo que se devia. Este não é apenas o maior desafio ambiental da nossa geração: é a ameaça civilizacional mais iminente.

Digo isto a propósito de revisitar a série de vídeos de potholer54 que já tinha recomendado várias vezes neste blogue (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11, 12, 13, 14, 15, 16). E revisito-a porque foi agora publicado mais um vídeo desta série. Aqui fica para os interessados:

terça-feira, 29 de novembro de 2016

A esquerda perante a direita populista

Toda a esquerda deve reflectir em como responder à ascensão da direita nacional-populista. Esse debate começou no Reino Unido aquando da vitória referendária da Brexit - em que estranhamente muita esquerda portuguesa via virtudes - mas a vitória de Trump na eleição presidencial dos EUA torna-o globalmente inadiável. As hipóteses seguintes de escalada serão avaliadas já no próximo Domingo (segunda volta da presidencial austríaca), e mais decisivamente em Abril, quando parece certo que Marine Le Pen chegará à segunda volta da presidencial francesa.

A direita nacional-populista rejeita a globalização, o establishment político, mediático e financeiro, e denuncia a (real ou suposta) «corrupção» dos políticos centristas; apela à xenofobia (ou mesmo ao racismo) e à islamofobia; preconiza o isolacionismo, o protecionismo e a «preferência nacional» ou até a expulsão de imigrantes, e a limitação à liberdade de culto dos muçulmanos. Este discurso não aliena os apoios habituais da direita, mas acrescenta-lhe sectores que habitualmente votariam à esquerda. Sistematizo abaixo cinco problemas - quase nenhum deles fácil para a generalidade da esquerda - e possíveis soluções.
Primeiro problema, os «perdedores da globalização»: concretamente, os tão falados  trabalhadores das regiões desindustrializadas do norte da Inglaterra, do Midwest ou do nordeste da França. É necessário reconhecer que a livre deslocalização de empregos para o terceiro mundo e restante evolução económica e laboral dos últimos vinte cinco anos trouxe-lhes principalmente o desemprego e o aumento da desigualdade. Fala-se menos das classes ex-médias cujos salários estagnaram, e que viram cavar-se um fosso face às elites. É bem possível que mais à frente estas pessoas descubram que o «regresso à identidade nacional» que a direita radical lhes oferece não lhes dará dinheirinho. Mas entretanto, a quimera do regresso ao mercado dentro das fronteiras do Estado-nação terá algum sucesso, ao qual só se pode responder opondo uma regulação muito mais dura da globalização através de instâncias supra-nacionais (não exclusivamente a UE), que não deixe toda a liberdade às multinacionais.
Segundo, a politização do combate à corrupção redefiniu o que era antes um crime de forma a ser agora qualquer falta ética ou de transparência. Mais importante: a corrupção hoje só existe no discurso público enquanto acto cometido por políticos no poder, e mais especificamente no poder executivo: só os políticos são corruptos. Logo, teve maior impacto Clinton usar um servidor privado de email para assuntos de Estado do que a evasão fiscal do empresário Trump. Tal como sendo Dilma Rousseff Presidente (poder executivo) a desorçamentação de despesa («pedalada fiscal»), foi causa formal para a destituir, enquanto as acusações de corrupção passiva (no sentido exacto - criminal - do termo) mal beliscaram o seu maior acusador, o deputado Eduardo Cunha (poder legislativo), que passou sem manifestações embora hoje - ao contrário de Dilma - esteja preso. O discurso contra a corrupção tem que ser despolitizado e remetido ao seu lugar natural no sistema judicial.

Terceiro, há que lidar com as limitações da política identitária. Ter elegido um negro presidente dos EUA foi uma vitória simbólica contra o racismo, mas não trouxe mudança substancial para os afro-americanos (muito menos para África), como comprovado pela continuação da violência policial «racialmente» direccionada. Eleger uma  mulher teria sido uma vitória simbólica contra a misoginia, mas é lícito duvidar que significasse um grande progresso na desigualdade de género nos salários. Mais perversamente, a acção de afirmar uma identidade gera uma reacção histérica das identidades contrárias, como o birtherism ou o machismo de Trump contra Clinton (ou da direita brasileira contra Dilma). A esquerda deve continuar sempre a combater as discriminações étnicas e de género, mas a prioridade tem que ser a mudança substancial, económica.
Quarto, e como repito há mais de dez anos neste blogue e alhures, a esquerda responde erradamente ao islamofascismo se se limitar a combater a islamofobia. Negar a realidade da existência de uma ideologia autoritária, sexista e homofóbica de inspiração islâmica é uma contradição com as denúncias que se fazem desses preconceitos quando vêm de outras origens (religiosas ou não). Pior: só desajuda os progressistas que na Europa, nos EUA ou no «mundo muçulmano» combatem os extremistas. A defesa da laicidade e a crítica do integrismo religioso deve ser feita contra todas as religiões, maioritárias ou minoritárias, do Ocidente ou do Oriente.
Quinto, o melhor precedente histórico de Trump não é Mussolini, mas sim Berlusconi: empresários que sabem dominar os media e abrir telejornais todos os dias, desbocados, narcisistas e pouco confiáveis. Não são fascistas, embora ambos tenham levado fascistas, mais ou menos disfarçados, para o governo. Insistir em chamar «fascista» a uma direita radical que anda há duas décadas a reconstruir-se, é falhar o alvo. Estamos perante um problema diferente, que usará armas muito diferentes. O que não torna a defesa da democracia e do pluralismo menos importante.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Fidel Castro (1926-2016)

No desaparecimento de Fidel Castro, julgo relevante recordar um texto escrito aqui quando estive em Cuba, há quatro anos. A Fidel Castro não perdoo não ter garantido as liberdades fundamentais dos cidadãos cubanos, as prisões, torturas e mesmo a morte de opositores. Tal repressão é inaceitável em qualquer circunstância, e tanto mais injustificável quanto sempre pareceu à generalidade dos observadores (e a mim também, quando lá estive) que a maioria dos cubanos apoiava a revolução. Também não gostei do culto de personalidade que vi em Cuba. 
Dito isto, Cuba deve ser comparada com os seus vizinhos, países do Terceiro Mundo. Comparado com eles, é um país bem menos miserável e com muito melhores índices socioeconómicos, na educação e na saúde. É uma sociedade bem mais igualitária, embora a pobreza seja generalizada (mas disso o governo não será o principal culpado, e os países à volta também são pobres). Acresce que a Revolução Cubana foi um exemplo para as lutas de muitos outros povos no mundo, que Cuba apoiou. Por tudo isto, eu continuo com o povo cubano. Hasta la victoria!