segunda-feira, 3 de maio de 2010

A visita do Papa...

...tem gerado em vários países, Portugal é um deles, um surto de imbecilidade considerável. À falta de clericalismo popular, há agora uma nova forma de clericalismo intelectual de parte da direita «liberal». Enquanto não houver um Papa que não seja fascizante, islamofóbico, pela pena de morte, de preferência lefebvrista, e que vote nos EUA no Bush, os Papas, em particular este, são o que se vai arranjando. E este anima os ânimos de forma muito especial porque é ex-nazi, ultra-conservador, homofóbico, anticomunista, não gosta de mulheres, e conhece mal demais a impregnação da Europa pelas «modas» da ciência, da liberdade individual e da igualdade de direitos desde o século 18. A absurda militância clerical dos «conservadores e agnósticos» vê-se então em todo o seu oportunismo.

(Descaradamente plagiado daqui.)