quinta-feira, 20 de maio de 2010

Dia de Desenhar Maomet



Ver mais aqui.

8 comentários :

claire raksana mahorgol disse...

é um pouco limitante pegar em representações parciais de uma época e dizer que é permitido desenhar maomé
a arte islãmica foi 90%
do tempo não figurativa não só não mostrando maomé como excluindo qualquer representação animal

foi ligeiramente mais permissiva para plantas estilizadas
é como dizer que as correntes iconoclastas que varreram o mundo foram a forma dominante de cristianismo (ou já agora do ateismo esquerdista marxista)
os icones na cultura eslava
e na vossa também são semi-sagrados
ninguém atira pedradas à imagem da virgem e excepto nalguns casos pontuais em espanha
não é costume deitar-lhes fogo

logo o post é tão limitado e pede tanto aos hábitos e crenças humanas
como o marxismo o foi durante 73 anos na europa de leste

a todos um lugar na sociedade mesmo se desprezavam esse lugar
á maioria um salário semelhante que matava a natural ambição humana
queria-se mais tinha que se aderir ao credo dizer amens á corrente ideologica
manter a ortodoxia
nunca duvidar dos santos cânones
o titulo do blog só quem é republicano é de esquerda?
há outras esquerdas?
o que é a esquerda

o presidente da bielorrussia foi durante a maior parte de sua vida um homem de esquerda
lenine era aparentemente um homem de esquerda
quais as diferenças com os islamitas intolerantes
eu que não stou ceguita não vejo muitas,
nem eu nem os meus que viveram nesses paraisos na terra a que eu me furtei de assistir por simples acaso de datas
há quem ainda viva

Anónimo disse...

desenhar jisuis, "virge" maria, zé (corno), deus, abraham etc.

João Vasco disse...

claire:

Não entendo bem o sentido das objecções.

Primeiro, o nome do blogue "Esquerda Republicana" longe de implicar que não pudesse existir o contrário, tem a implicação implícita oposta. Simplesmente neste blogue somos de esquerda, e somos republicanos.

Depois, se a ideia é que por causa dos intolerantes que terão existido à esquerda não podemos criticar outras formas de intolerância, não podia discordar mais! A minha proposta é não existar em chamar a esses intolerantes, porque a intolerância deve ser criticada à esquerda, à direita, no clericalismo, na religião, na filosofia A ou B, onde estiver.


O post não pede muito aos "hábitos e crenças". Se alguém se ofende pelo facto de eu comer carne de porco ou beber cerveja, azareu. É a escolha dele, e eu não tenho nada com isso.
Desenhar Maomet está na mesma categoria. O Corão diz "não o faças" e não "não o deixes fazer", e se dissesse (que não diz) seria uma religião desadequada para viver numa sociedade livre e multicultural.

Tenho a mesma paciência para as histerias dos beatos islâmicos que para as histerias dos beatos cristãos. Quando estes últimos tinham o poder eram igualmente brutos e violentos na hora de impôr as suas crenças aos restantes, mas depois veio uma revolução francesa e outras tantas que lhes acalmaram um pouco os ânimos. Hoje vivemos numa sociedade onde as pessoas escolhem a religião que querem, e se alguém se sente ofendido que outros não sigam os preceitos d sua religião, que se sinta. Mas se a ameaça ou usa a violência, temos de mostrar que não seremos intimidados.

Ricardo Alves disse...

Sim, Claire, há outras esquerdas. Há algumas que vamos criticando por aqui, como a estalinista ou a pós-modernista.

João Vasco disse...

Stefano:

Quando escrevi no "Diário Ateísta" mais de um autor foi ameaçado de violência por cristãos. Nunca se deixaram intimidar, e ainda bem.

Mas não é só por cristãos que não nos devemos deixar intimidar. É por todos aqueles que querem usar a vioência e a ameaça como uma arma contra a liberdade de expressão.

Anónimo disse...

desenhemos o bom abraham.... pai dos 3 monoteismos....

Anónimo disse...

Eu não sou especialista em Islão, longe disso, mas sei que a maioria do Islão é sunita e que o Islão xiita, minoritário (cerca de 15% dos muçulmanos do mundo), é notoriamente diferente do sunita, nomeadamente por ser frequentemente personalizado em figuras humanas - ao contrário do sunita em que, por princípio, todos os homens são iguais. Noto que todas as imagens do profeta que por aí se vêem são originárias da Pérsia, um país quase totalmente xiita. Não me admiraria que a proibição de desenhar o profeta - aliás, a proibição de desenhar qualquer homem - tivesse a ver apenas com o islamismo sunita, isto é, com o maioritário.

Luís Lavoura

João Vasco disse...

Luís Lavoura:

Mesmo no que diz respeito aos sunitas existem divergências. Nuns casos, nenhum homem pode ser desenhado, noutros é só Maomet que é interdito - a Turquia, cheia de belas esculturas humanas algo recentes é testemunho disso.

Mas creio que o essencial nesta questão é mesmo o resto do texto, e principalmente a atitude de responder à intimidação e ameaça com a repetição, aos gritos, da mensagem que pretenderam abafar.

Temos de mostrar que esse tipo de ameças são contraproducentes. Se forem eficazes, a liberdadede expressão está morta.