sexta-feira, 7 de maio de 2010

Cameron vence, mas sem maioria absoluta

Neste momento, Sarah Brown, a mulher de Gordon Brown, está a fazer as malas e a preparar os caixotes, pois a camioneta da mudança está à porta. O reinado de Gordon Brown terminou e no cômputo final não houve muito sangue derramado (para um partido que governou 13 anos e que presidiu à maior recessão económica desde 1929, 29% dos votos é um resultado que não envergonha ninguém). David Cameron prepara-se para assumir as rédeas do poder, mas o beija-mão a Rainha não será hoje. Primeiro vai ter que se entender com os liberais-democratas e outros partidos minoritários, como o Partido Democrático do Ulster e o Partido dos Unionistas do Ulster (as conversações estão agendadas para esta tarde, mas resta saber se Nick Clegg vai querer viabilizar um governo conservador). O cenário mais provável é o de um governo conservador apoiado pelos partidos unionistas e com o apoio tácito dos liberais-democratas.
Esperemos que este exercício de diálogo ensine alguma humildade a David Cameron. A sua vitória (36% dos votos) não é exactamente um enorme voto de confiança do eleitorado no seu programa político. Na verdade, poucos analistas esperam que este governo dure mais do que dois anos.
A única boa notícia desta noite eleitoral foi a eleição da candidata verde, Sarah Lucas, para o círculo de Brighton Pavillion.

3 comentários :

  1. 23% no Guardian. Os ingleses tiveram de escolher entre os criados dos EUA que dizem que sao de esquerda e os criados dos EUA que sao de direita. Isto deve ter sido um voto de desconfiança nos trabalhistas, mais do que um voto de confiança no partido cinzento.

    ResponderEliminar
  2. Tiveram 23% dos votos e 9% dos deputados: as maravilhas do sistema uninominal...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.