quinta-feira, 6 de maio de 2010

Plano Inclinado (I)

Tem dado que falar, na blogosfera e não só (sendo prontamente ecoado pelos entusiastas do costume), a entrevista de Guilherme Valente no programa "Plano Inclinado" da SIC.

Tenho respeito por Guilherme Valente e um grande reconhecimento pela sua obra enquanto editor. No entanto se, tal como ele afirma, o problema da educação é "ideológico", as soluções propostas pelo grupo "anti-eduquês" de que faz parte (e repetidas por Nuno Crato no programa) não o são menos, e não podem merecer o meu acordo (começando por "descentralizar" a escola, que é o primeiro passo para instituir as escolas para a elite e as escolas para a ralé).

Sem querer fugir aos aspetos ideológicos, talvez seja mais construtivo começar por identificar os problemas não-ideológicos (e cuja resolução também não o seria). O problema que abordo no meu texto A roupa não faz o profissional é também um problema de educação: dá-se mais valor à aparência que ao conteúdo. Tal como é dito no programa: mais do que aprender, quer-se sobretudo obter facilmente um diploma. Isso não é ideológico, e deveria ter sido bem focado no programa. Para evitar que continuem a acontecer situações como a da própria página web do programa, que chama "Professor" a Guilherme Valente. Guilherme Valente é tão professor como Mário Crespo-

5 comentários :

  1. Descentralizar já foi feito. E duvido que as pessoas se tenham apercebido do que isso significa, no essencial: colocar mais cargos de nomeação nas mãos dos autarcas. E facilitar a escolas «à la carte», com variações locais não apenas da pedagogia, mas também, a seu tempo, dos programas. O que vai dar disparate do sério.

    ResponderEliminar
  2. Houve aspectos muito válidos no programa, como a denúnci de uma filosofia pedagógica que acredita na desresponsabilização do indivíduo, que desdenha a excelência, que desconfia da matemática, do analítico, de qualquer tentativa de abraçar o bjectivo.

    Tenho pena que estes pontos, válidos e interessantes, que Gilherme Valente ia fazendo fossem obscurecidos pela "conversa de café" do "taxista" Medina Carreira.

    Como é que as pessoas têm tanto fascínio por alguém que, por muito válido que tenha sido no passado, não sei se foi ou não, hoje limita-se a fazer variações do "eles só querem é poleiro", "aos políticos de agora era metê-los na cadeia e deitar fora a chave". Em alturas de enorme frustração até posso fazer discursos parecidos, mas ao menos tenho consciência de que isso não passa de um desabafo inútil. Útil é pensarmos naquilo que devemos fazer face à stuação actual, não caírmos na ladaínha de "os políticos são tão maus" como se a culpa não fosse nossa, eleitores.

    ResponderEliminar
  3. "quer-se sobretudo obter facilmente um diploma. Isso não é ideológico"

    Pois não, é social, o que é muito pior.

    O problema é alguns dos problemas da educação serem essencialmente, principalmente, problemas da sociedade.

    Ora, é difícil e impopular criticar a sociedade, e é muito difícil exigir que ela mude. É muito mais fácil refugiarmo-nos no combate ideológico.

    Luís Lavoura

    ResponderEliminar
  4. "descentralizar a escola, que é o primeiro passo para instituir as escolas para a elite e as escolas para a ralé"

    Não vejo que tenha que ser necessariamente assim.

    É claro que a descentralização tem que ser acompanhada de medidas que garantam que as escolas satisfazem padrões (e programas escolares) mínimos.

    Já hoje, aliás, isso existe, por exemplo nos infantários. A maior parte dos infantários são privados e são, naturalmente, muito diversos. No entanto, os educadores têm que realizar uma avaliação padronizada (pelo Ministério) das aptidões e da evolução das crianças.

    Eu considero ridículo muitas coisas que as crianças hoje são forçadas a aprender e que são totalmente desajustadas da realidade cultural atual. Penso que isso se pode resolver parcialmente, precisamente descentralizando a escola.

    Luís Lavoura

    ResponderEliminar
  5. "dá-se mais valor à aparência que ao conteúdo. Tal como é dito no programa: mais do que aprender, quer-se sobretudo obter facilmente um diploma. Isso não é ideológico, e deveria ter sido bem focado no programa. Para evitar que continuem a acontecer situações como a da própria página web do programa, que chama "Professor" a Guilherme Valente. Guilherme Valente é tão professor como Mário Crespo"
    È verdade e concordo em absoluto. Mas quando esses maus exemplos já vêm de cima, daqueles que, supostamente, devia ser bons exemplos, está tudo dito.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.