segunda-feira, 3 de maio de 2010

A secularização da morte

Nos funerais dos três primeiros meses de 2010, em Lisboa, as cremações foram mais numerosas do que os enterros.