terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Vão chamar «Deus» à vossa tia

Não há pachorra para os jornalistas que se referem ao bosão de Higgs como «a partícula de Deus». Dá vontade de lhes responder: ai sim? Então «Deus» é um bosão escalar sem spin? E o «luminoso» fotão não é a «partícula de Deus» porquê? Porque o descobrimos há mais tempo? E se o Higgs é a sua própria anti-partícula, isso quer dizer que o diabo é treta ou quer dizer que «Deus» é o «Diabo»? E em que parte da Bíblia é que dizia que o Higgs tinha uns 125 GeV? E se «Ele» for representado nos diagramas de Feynman, os muçulmanos zangam-se? E, finalmente, a questão crucial: se o Higgs é «Deus», como é que não consegue violar CPT?

[Diário Ateísta/Esquerda Republicana]

15 comentários :

  1. Bem, eles não lhe chamam "deus", chamam-lhe a "particula de deus" - penso que a ideia é ser o bloco do lego com que deus brinca

    ResponderEliminar
  2. É a partícula de deus porque há muito que se postula que ela exista, mas nunca se viu nada até agora :)

    ResponderEliminar
  3. Duas notas, Ricardo: "bosão escalar sem spin" é uma redundância. E, de uma perspetiva religiosa, pode-se crer que Deus não viola CPT porque Deus quis que CPT não fosse violada.

    Miguel, não vás por aí. Pode ser que hoje, então, anunciem a existência de "Deus".

    ResponderEliminar
  4. Filipe,
    «omnipotente e omnipresente» também é uma redundância. E o paradoxo da não violação da CPT é novamente a questão de «Deus» criar uma pedra tão pesada que nem «Ele» a pode levantar.

    ResponderEliminar
  5. Lido no Guardian:

    According to Higgs, it wasn't even Lederman's choice to call it the god particle: "He wanted to refer to it as that 'goddamn particle' and his editor wouldn't let him."

    ResponderEliminar
  6. Patrícia: boa!

    Ricardo, não é bem a mesma coisa. Omnipresença não quer dizer o mesmo que omnipotência; "escalar" (aplicado a uma partícula) e "sem spin" são a mesmíssima coisa, ou quase. (Bem também há o pseudoescalar, se pensares no axião.) Mas é claro que concordo com o sentido geral do texto.

    ResponderEliminar
  7. Quanto ao anúncio:

    1) o Higgs (do modelo standard) está excluido, a 95% de nível de confiança, para quase todo o intervalo possível de massa, excepto para a região entre ~125-140 GeV.

    2) os resultados não o excluem dentro deste intervalo, mas também não foi descoberto.

    3) uma das indicações de que possa estar a cerca de 125 GeV é a observação de um excesso de alguns acontecimentos, em "canais" diferentes para a mesma região de massa, mas estes acontecimentos são menos de uma mão cheia...


    5) O fundo (contaminação por outros processos conhecidos) não é assim tão trivial de descrever e as flutuações estatísticas também existem

    5) Vamos esperar mais 6 meses...

    ResponderEliminar
  8. Correcção

    as regiões permitidas a 95% CL são:
    resultados de ATLAS - 115.5-131 GeV
    resultados de CMS - 115-127 GeV

    (ATLAS e CMS são as duas experiências de LHC que apresentaram resultados hoje)

    ResponderEliminar
  9. E a expressão é "god particle", e não "god's particle". A tradução seria partícula-deus. Bravo, jornalistas, uma vez mais.

    ResponderEliminar
  10. Ricardo,

    A partícula de Higgs é o Amor, representando a eterna relação do Tudo-Imanente com o Tudo-Transcendente, a base fundamental do Ser.

    Vê-se mesmo que não percebes nada de teologia ;)

    ResponderEliminar
  11. ... nem do Quinto Elemento, ó Ludovico! ;)

    Há Mé-ne...

    Carvalho, frase linda! HAHAHAHAHA!

    ResponderEliminar
  12. Tenho que pedir ajuda ao José Rodrigues dos Santos, ele é que sabe tudo destas coisas das partículas de que «Deus» é feito. ;)

    ResponderEliminar
  13. O Bankário Anarka as raison ó Albes dus Reis

    é a partícula deus a partícula que formou o universo logo a imagem de todas as coisas

    não é de deus como a moita

    a partícula é DEUS...seu DEUS ATEU composto de partículas

    ResponderEliminar
  14. 13 partículas dá azar

    como diria o Jão Basco se lhe tibessem dado uma inducação de jêto

    isto é o culminar de uma série de experiências que começou em 1928
    quando se disparou um feixe de electrões sobre uma placa de grafite

    e pela primeira vez se começou a ter uma con's ciência da natureza divina da matéria

    ResponderEliminar
  15. Resumindo em 1928 o ricochete dos electrões no universo subatómico não era aleatório seguia um padrão

    Cada electrão detectava onde se encontrava cada átomo de carbono na malha hexagonal (cristaline)da grafite mas espalhava-se no alvo além do átomo grafite (ou seja muito
    do que o atomo em si

    a matéria apesar de ter um padrão
    quando a observamos, difunde-se e propaga-se quando não estamos a observá-la

    Não tem uma forma finita

    Logo...é divina

    São regras básicas de mecânica quântica aplicam-se a todas as partículas subatómicas

    custo da explicação dois Bit con's
    (o Jão Basco nã qué moeda falsa)

    O universo devolve-nos imagens quando olhamos para elas

    quando não observamos não estão necessariamente lá

    logo vivemos numa simulação matrixiana

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.