segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

O mundo ao contrário

O coordenador nacional da «Educação Moral e Religiosa Católica» acha «fundamental haver uma formação na escola [pública] que incida sobre as questões religiosas». Já quanto à Formação Cívica, deve ter lugar (na opinião dele) «no contexto da família».

Eu defendo o (quase) exacto contrário.

4 comentários :

  1. Acho que já referi aqui muitas vezes este meu fascínio pelas pessoas que tentam atingir o muro da perfeição retórica da asneira, que é uma asneira por palavra. Cada cavadela: minhoca.

    Até agora o recorde mundial está com um rapazinho que ia à catequese com um amigo meu e, quando lhe pediram que enunciasse os 10 madamentos, respondeu: "Os dez mandamentos são cinco: fé, esperança e caridade".

    O amigo Pedrinho Dimas precisa de se treinar um bocadito, mas tem potencial. Pode chegar lá. :o)

    ResponderEliminar
  2. uma formação na escola [pública] que incida sobre as questões religiosas

    Não acho isso necessariamente mau, desde que seja uma formação religiosamente descomprometida, isto é, desde que se trate de uma instrução sobre o fenómeno religioso e sobre as diversas religiões existentes no mundo.

    ResponderEliminar
  3. Luís Lavoura:

    Tenho visto muitas pessoas a defender isso, o mais conhecido é o Dawkins, e a ideia não me repugna - sendo que naturalmente o professor seria designado pelo estado, não pelas instituições religiosas - mas sinceramente parece-me que a formação cívica devia certamente ter prioridade sobre uma disciplina desse tipo.

    ResponderEliminar
  4. A formação cívica é sem dúvida mais importante do que a religião e moral. A formação cívica é para formar cidadãos - para as responsabilidades públicas, para lidar com o Estado, para saber o que se deve exigir do Estado e o que lhe devemos. É por isso que deve existir na escola.

    Já a religião tem a ver com as crenças pessoais, familiares, em última instância com os afectos. Portanto a religião e moral só deveria realmente ser «ensinada» nas famílias, nas associações privadas, nas igrejas.

    O Pedro Dimas vê isto tudo ao contrário.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.