sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Será isto um golpe de Estado que não ousa dizer o seu nome?

  • «Ricardo Salgado, presidente do maior banco privado português em valor de mercado, entrou no edifício da Presidência do Conselho de Ministros às 18h05, cerca de duas horas antes de Pedro Passos Coelho fazer uma declaração ao País.
    Nesse edifício decorre, desde as 8h30, um conselho de ministros para aprovar o Orçamento do Estado para 2012.
    À saída, Ricardo Salgado disse que teve uma reunião com o secretário de Estado Feliciano Barreiras Duarte para falar de questões de imigração.» (Jornal de Negócios)
  • «O Governo vai cortar os subsídios de férias e Natal aos funcionários públicos e a todos os pensionistas cujo vencimento seja superior a mil euros. (...) Na Saúde e Educação, “haverá cortes muito substanciais”. (...) O Orçamento do Estado para 2012 que o Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros prevê ainda que os vencimentos situados entre o salário mínimo e os mil euros sejam sujeitos a uma taxa de redução progressiva, que corresponderá em média a um só destes subsídios. O mesmo acontece no caso das pensões abaixo dos mil euros e acima do salário mínimo.» (Público)
  • «O constitucionalista Jorge Miranda questiona como é que foi possível o memorando de entendimento com a "troika", que, na sua visão, desrespeita a Constituição. (...) O constitucionalista questionou como é que um «governo de gestão» pôde assinar o memorando de entendimento com as instituições responsáveis pela ajuda externa a Portugal.
    Além disso, frisou, não houve «uma votação formal no Parlamento» que aprovasse a presença da "troika" no país, nem o acordo foi publicado em Diário da República.
    » (TSF)