sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Será isto um golpe de Estado que não ousa dizer o seu nome?

  • «Ricardo Salgado, presidente do maior banco privado português em valor de mercado, entrou no edifício da Presidência do Conselho de Ministros às 18h05, cerca de duas horas antes de Pedro Passos Coelho fazer uma declaração ao País.
    Nesse edifício decorre, desde as 8h30, um conselho de ministros para aprovar o Orçamento do Estado para 2012.
    À saída, Ricardo Salgado disse que teve uma reunião com o secretário de Estado Feliciano Barreiras Duarte para falar de questões de imigração.» (Jornal de Negócios)
  • «O Governo vai cortar os subsídios de férias e Natal aos funcionários públicos e a todos os pensionistas cujo vencimento seja superior a mil euros. (...) Na Saúde e Educação, “haverá cortes muito substanciais”. (...) O Orçamento do Estado para 2012 que o Governo aprovou esta quinta-feira em Conselho de Ministros prevê ainda que os vencimentos situados entre o salário mínimo e os mil euros sejam sujeitos a uma taxa de redução progressiva, que corresponderá em média a um só destes subsídios. O mesmo acontece no caso das pensões abaixo dos mil euros e acima do salário mínimo.» (Público)
  • «O constitucionalista Jorge Miranda questiona como é que foi possível o memorando de entendimento com a "troika", que, na sua visão, desrespeita a Constituição. (...) O constitucionalista questionou como é que um «governo de gestão» pôde assinar o memorando de entendimento com as instituições responsáveis pela ajuda externa a Portugal.
    Além disso, frisou, não houve «uma votação formal no Parlamento» que aprovasse a presença da "troika" no país, nem o acordo foi publicado em Diário da República.
    » (TSF)

4 comentários :

  1. lamento muito que bocê e eu bamos perder

    6000 boçê e mim 3000 e picoas ou coisa que o valha...

    agora há que atender que 700 mil desempregados necessitam dos seus trezentolas a novecentolas por mês

    é justo que o corte seja na despesa do estado e não abranja os trabalhadores privados

    (uma vez que o estado já os tributa e geralmente não lhes paga

    ResponderEliminar
  2. logo tou-me cagando para o que o constitucionalista diz

    sinceramente não me apetece estar ganhando 600 contos ou 6000 contos em 2015 mal por mal prefiro a estabilidade do euro

    que obriga as empresas a serem mais competitivas

    desvalorizar o escudo ou a lira turca até que o turista compre

    dá mau resultado porque há sempre sítios mais baratos onde o comércio sexualis custa menos que na Madeira de All Bertus
    ou a limpadora de camas made in vietname ou moldava recebe menos do que acá...

    senão os nossos lares de idosos estavam cheios de japs

    podiamos competir nos cuidados médicos com a maior parte da europa

    mas nunca formámos médicos para isso

    podíamos competir nas pescas, mas ninguém quer pescar

    podíamos ser 60% auto-suficientes em morfes
    mas ninguém quer comer

    ResponderEliminar
  3. Entidade do discurso desconexo, deixe-me só dizer-lhe que não sabe o que eu vou perder.

    ResponderEliminar
  4. Na Bélgica existe um governo de gestäo, e como tal näo pode implementar medidas austeritárias, tendo de se sujeitar ao orçamento do ano transacto (resultado: a crise vai passando sem grandes problemas).

    No Tugal, mesmo com governos de gestäo tudo é possível para lixar o Zé. Mas afinal, o Zé até gosta, que nas eleiçöes deu a maioria a um gajo que berrou aos 4 ventos "irei mais além do que a troika quer"...

    ... tanto que amanhä só väo estar na rua os 20% que votaram contra! Quanto quereis apostar?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.