sexta-feira, 11 de março de 2011

É claro que vou à manif

Vou à manifestação porque é preciso dizer bem alto que a precariedade não é a solução. Qual é “a” solução? Eu tenho as minhas opiniões; provavelmente outros manifestantes terão outras. Participei nas manifestações contra a PGA e provavelmente não estaria de acordo com toda a gente que se manifestou comigo sobre acesso ao ensino superior. Idem nas propinas e sobre o financiamento do ensino superior. Ou contra a guerra no Iraque e sobre política internacional. Quem acha que os manifestantes devem propor soluções concretas não percebe o que é o “direito à indignação” e provavelmente nunca deve ter participado numa manifestação. Soluções concretas devem ser discutidas quando se discute política, principalmente (mas não só) nas campanhas eleitorais. Esta manifestação não serve para mais nada – nem deixemos que lhe dêem outros aproveitamentos políticos: serve somente para dizer que a precariedade para toda a vida não é uma solução aceitável.

3 comentários :

Ricardo Alves disse...

De acordo com o essencial deste post. ;)

Miguel Carvalho disse...

Filipe, em todas as manifestações que referes, apesar de nem sempre haver propostas concretas eram contra políticas concretas. E geralmente era claro qual seria a alternativa, mesmo quando não explícita.

Hoje, nem é uma manifestação contra uma política específica. Prova disso é haver deputados do PCP ao CDS presentes.

pling a lot disse...

é uma manif de desagravo

porque não

é como as procissões para pedir chuva

eu ia mas é em Lisboa, se fosse em dia de greve da CP ia de certezinha