sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Acima do Parlamento e da lei?


Já sabíamos que a nova PIDE só é «fiscalizada» por quem promete ao Parlamento não a fiscalizar. Já se sabia também que no SIS e no SIED quem denuncia os crimes dos colegas é «exonerado». Isto, note-se, num serviço do governo («serviço público» é outra coisa, muito mais nobre) sustentado pelos nossos impostos. «Funcionários públicos», teoricamente, são empregados do povo. Os «informaçõezinhas» acham que cometer crimes é servir o povo.

Hoje, a senhora Presidente da Assembleia da República torceu a Constituição e o Regimento parlamentar até ao limite, com o objectivo de evitar que Passos Coelho prestasse contas perante os deputados sobre a criminalidade organizada por serviços debaixo da sua tutela directa. Como os tribunais também arrastam os pés, o que se passa é que a nova PIDE recebeu carta branca da maioria parlamentar. Quem se coloca acima do Parlamento e da Lei não acaba bem.