quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

A política que o euro criou

A crise europeia é também uma crise do sistema político-partidário.

A UE apoiou-se num pacto entre os partidos do centro, excluindo radicais de esquerda e direita. O pacto dava mais poder ao BCE do que a políticos eleitos. Agora, quando o edifício europeu vacila e se pode desagregar, os partidos mais penalizados são os “do centro”, de que se esperava que contivessem a deriva monetarista e neoliberal: os socialistas. Estão afastados do governo em quase toda a UE e, amarrados às respectivas troikas em Portugal e na Grécia, assistem passivamente à destruição do Estado social construído desde 1945.

A crítica da Europa realmente existente, nas duas décadas pós-Maastricht, veio essencialmente da direita nacionalista no Norte da Europa, e a sul da esquerda anticapitalista (desacreditadas, respectivamente, pela sua xenofobia irracional ou pelo seu anacronismo bolchevique). Porém, o dilema presente não é entre resolver a crise na UE ou no isolamento nacional, mas sim saber se o poder reside na democracia e nos cidadãos ou no mercado e nos financeiros.

Em Abril, as eleições na Grécia e na França mostrarão que consequências políticas da crise retiram os eleitorados desses países. As sondagens indicam uma viragem à esquerda, mais forte na Grécia. É a oportunidade para uma esquerda contrária ao austeritarismo mas credivelmente democrática.

10 comentários :

  1. tentemos outra vez, o estado social nos moldes em que existe é insustentável...
    quanto mais não seja porque os 26% do orcamento deficitário vão para pensões que a manter-se a esperança de vida terão de ser 35%
    do orçamento para pagar pensões em 2020 se elas fossem actualizadas

    uma enfermeira morreu o mês passado tinha 100 anos, reformou-se em 77/78 com poucos contos de reforma...

    durante anos teve uma reforma miserável e fazia uns biscates como parteira/abortadeira a 30 e 50 contos nos anos 80...era carote
    mas cavaco livrou-a deste pecado
    (por acaso só deixou aos 75)ao actualizar as pensões
    morreu com uma reforma de 1000 e poucos euros
    mais 700 euros (metade da pensão do marido que se quinou uns 15 anos antes com 92 anos...
    era mais velhote da marinha mercante...

    sound forecens escreva as 2...

    idade média dos reformados da vizinhança...86,5 anos e são dúzias...agora entrou um do BCP que estragou a média só tem 61..ou 62..

    ResponderEliminar
  2. Société ffessab?

    só funcionava se todos se finassem com a idade 91 e a reforma do porteiro....ex-pescador e esmerilador e trabalhador nas pedreiras y pecador que andou 20 e tal anos com 27.000$ depois 40 contos e finalmente se foi com 235 euros no bolso...(levou o último cheque com ele...pelo menos as filhas velhotas de 60 e picos não o acharam...

    ResponderEliminar
  3. Goth. assoped

    por falar nisso a casa do porteiro tá livre...um T1 com piscina (mas só quando chove) por 125 eurros...

    aproveite esta oportunidade do estado associal...

    as rendas camarárias vão dos 15 aos 130 logo por um T1 é caro...

    ResponderEliminar
  4. cisionm midst

    claro está que um estado social em escudos é possível

    basta FAZER como no Soaristão...os reformados em 1960 e tal dos 850$ a 1300$

    ganhavam em 1984 ...8.500$ a 10 contos de pensão (nalguns 12000$)
    quando o salário médio da função pública andava por 40-60 contos
    e o salário mínimo 10.000 $oo

    em 85 estava em 13.000 $000 réis
    e as pensões dos que estavam vivos e eram iguais ao salário mínimo nacional tinham passado para 12.000$

    só me esqueci de dizer que este salário mínimo era para os serviços domésticos

    para a agricultura pulou dos 13.000$ em 84 para os 16.500$

    e o da função púbica dos 15.600$
    para os 19.200$ em 1985

    entendido como é possível ter um estado sucia all passível de existir?

    ainda não?
    bolas...é só fazer as contas...em escudos

    ResponderEliminar
  5. esquecia-me anacronismo bolchevique?

    o bolshoi é u futuro...
    e pensões de 100 a 300 rublos que eram melhores que as de 3000 rublos actuais (apesar de haver mais para comprar com elas)

    em 1989...o salário mínimo era de
    30.000 contos em 4 anos mais de 50% de aumento....

    em 91 eram 40.100$ e em 92 quando o cavacóide desvalorizou o escudo 25%

    eram 44.500$ tinha aumentado 4.500$ 11,...%

    mas o escudo desvalorizou mais 13,9...e coiso%

    infelizmente desvalorizou em Junho...altura em que alguém transferiu libras a 249$
    que subitamente subiram para os 260 e tal...até baterem nos 300$
    ódepois desceram..
    quem quisesse comprar peças para o Rolls Royce tinham ficado 20% mais caras....
    ittedTr ench enche enche....
    foi cavaca em 91 que harmonizou o mínimo ingrícola com os restantes

    este estado sucia all é de raiz puramente cavacóide (exceto SNS)

    ResponderEliminar
  6. TecncP exist'st]???????

    e quando a pensão do funcionalismo andava nesses valores em 84

    havia pensões de 3.500$ e 5contos
    ao pé das de 8 e 12 contos

    o que é mais justo do que hoje
    pensões de 150 e 200 e tal euros

    e pensões médias do funcionalismo
    dos 1200 aos 2300...

    as de 84 não ultrapassam 3,5x o mínimo

    a...

    ResponderEliminar
  7. nobersdh doctrine...qwa

    idem quanto aos serviços do SNS
    aqui havia 2 médicos e 2 enfermeiros durante a noite nas urgenças

    agora há uns 50....

    associate; udestslv

    CLXIX tglocie

    ResponderEliminar
  8. mjiteaf episcopacy

    sucinto: esta falsa democracia protege o funcionalismo

    tal como no salazarismo se dormia com fulano de tal para arranjar um lugar na função, agora faz-se o mesmo para ter uma funcão provisória na dita...

    uma repartição imprimir 200 currículos para 1 lugar durante um mês?
    é isto a tal democracia ou é burrocracia?

    vai-te queu tou velho pra aturar putos a entrar na andropausa

    only, targico...e com daltonismo

    ResponderEliminar
  9. symptoms airoors

    veêm já tenho um passatempo enquanto envio curricula e contacto com palermas na indústria cerâmica a queixarem-se que precisam disto e daquilo e que ou param a produção ou vão à falência

    vendam os tijolos na Alemanha ou na China cabrões...fizessem bidets
    qua são mais finos...
    oferece-se uma pessoa para arrepimpar estas industrietas a preço de 200 eurros ó mês e nickles

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.