quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

E a terra das oportunidades é... a Escandinávia

Toda a gente sabe que as economias mais liberais, como os Estados Unidos e a Inglaterra, são onde o Estado é um empecilho menor ao sucesso económico de cada um, certo? Não há um estado pesado que corta as pernas ao empreendedorismo, certo? O sucesso calha aos mais aptos, certo? Numa economia mais liberal, só nós somos culpados se não tivermos êxito, certo?
Errado.
Há vários estudos, e aqui abaixo fica mais um, que mostram o contrário. É nos países escandinavos - aqueles com cargas fiscais acima dos 50% - que o sucesso económico de uma pessoa menos depende do sucesso económico dos pais. Ou seja, é onde o sucesso depende mais de cada um, do que aquilo que herdou.
E é fácil imaginar porquê. O estado social garante a todas as crianças uma verdadeira igualdade de oportunidades, especialmente em termos de educação.


Por cada 1% a mais que uns pais americanos ganham, os filhos vão ganhar mais 0,5%. Por cada 1% a mais que uns pais dinamarqueses ganham, os filhos vão ganhar apenas mais 0,15%.
(Mais precisamente, o que aparece na figura é derivada parcial d log(rendimento)/d log(rendimento pais))

8 comentários :

  1. No Norte da Europa há "igualdade de oportunidades", a começar pelo Ensino. As escolas privadas näo podem escolher os alunos na base do rendimento, têm de ser da área geográfica.

    E as Universidades säo públicas e totalmente gratuitas até ao Mestrado.

    E como é normal, näo há igualdade de resultados. Quem quer estudar até ao Mestrado fá-lo, quem quer tirar o básicoi e trabalhar pode fazê-lo.

    Este sistema "comunista" produz os melhores alunos do Mundo, demonstrado pelos testes PISA. Curioso como a prestaçäo da Suécia baixou desde a experiência de introduzir escolas privadas com livre selecçäo de alunos pelo governo neoliberal de Reinfeld.

    ResponderEliminar
  2. Mas vejam como é que se consegue dar uma notícia verdadeira com premissas erradas. Os países encandinavos são, e sempre foram, países liberais economicamente. Basta olhar para os partidos políticos que estão, e têm estado, no governo, nos últimos anos. Há sempre um partido liberal no meio. Aqui, em Portugal, não existe nenhum partido liberal no governo, nem sequer na assembleia da república.

    Os partidos liberais têm estado sempre no poder daqueles países. Um país liberal economicamente pode ser forte socialmente, desde que consiga atrair empresa (economicamente). E isso eles conseguem.

    ResponderEliminar
  3. John,
    concordo, o problema aqui é a multitude de significados que a palavra "liberal" tem. Aqui com liberal queria dizer um Estado mínimo e uma economia muito liberalizada.

    ResponderEliminar
  4. E é verdade, eles (os encandinavos)têm uma economia muito liberalizada. Pelo contrário, são dos países da europa com dívidas públicas abaixo dos 50%.

    Os EUA e a Inglaterra têm dívidas públicas perto dos 100%. No caso dos EUA, a dívida pública deve ser mais alta do que a da zona euro. São estes os países liberais que têm para apresentar?

    Não podiam apresentar pior exemplo. É exatamente o contrário. Os países nórdicos são exatamente os que melhor conseguem conciliar uma economia liberal com um estado social.

    ResponderEliminar
  5. O que é que a dívida pública tem a ver com o grau de liberdade económica????

    ResponderEliminar
  6. quanto aos impostos de 50% são para um funcionalismo médio e alto

    um industrial do bacalhau

    ou um dos móveis

    ou o patrão da bofors

    nem 20% pagam ....

    20% sobre os lucros do petróleo ou do ferro de kiruna

    dá muito dinheiro para populações pequenas com um elevado grau de poupança e investimento

    e até aos anos 90 um baixo grau de consumo

    ResponderEliminar
  7. e no norte da europa há dinamarcas e há suécias e há kiruna e oslo

    e quem nasce em kiruna raramente atinge os níveis de oslo

    tal como quem nasce em stavanger raramente chega a milionário e se é rapaz tem 30% de oportunidades de acabar num curso técnico para começar a abrir e fechar válvulas

    há mais oportunidades
    mas daí a falar em igualdade de ...
    melhor nível de vida...seguramente

    maiores psicoses e depressões yah

    maior competitividade na escola e nas juventudes dos partidos..sim

    mas isso tamém havia em portucale nos anos 70(77,78etc e 80

    ResponderEliminar
  8. O segredo da Escandinávia (+Finländia e Isländia) é simples: a economia é posta ao serviço do povo (i.e. os cidadäos).

    E Estado Social é uma realidade, os impostos säo altos, e o Estado tem partes em empresas estratégicas, logo segundo a cartilha económica corrente näo se lhes pode chamar "liberais economicamente". Lembre-se que nos EUA a Suécia ainda é conhecida como sendo "um país comunista".

    Aparte os 10 anos anteriores, onde realmente partidos (neo)liberais apareceram nos governos, o facto é que desde a II Guerra Mundial (ou até antes), a política é dominada por sociais-democratas (näo confundir com PSDs... nem PSs) que colocam poucos entraves à actividade das empresas, desde que estas paguem os "tais" altos impostos que suportam o Estado Social. No final é uma situaçäo de ganho-ganho, onde há poucas greves e instabilidade social, alta qualificaçäo, alta produtividade, nivelamento social "por cima", derivando no mais altos níveis de vida do Mundo.

    Pois é, em vez de copiar o Chile dos anos 70 os governos tugas deviam copiar a Suécia dos anos 50... para näo dizer anos 30!

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.