sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

De chapéu na mão


Sim, é verdade. Este filme não deveria ter sido divulgado. Mas tornou-se um facto político, sendo a primeira admissão clara por responsáveis governamentais de que o programa de austeridade actual não serve e será, por muito que Gaspar o desminta, alterado. 
Entretanto, a postura paternalista de Schauble é assinalada pela imprensa alemã. A meio da conversa, até parece duvidar do «progresso substancial» que Gaspar, curvado e subserviente, reivindica. Foi a isto que chegou a «União» e o «projecto europeu».

9 comentários :

  1. Pois. Mas o facto é que o filme não deveria ter sido divulgado. Não é legítimo gravar um conversas privada entre duas pessoas e depois divulgá-la ao público.

    Se o filme não devia ter sido divulgado então o melhor a fazer é não falar dele. Fazer como se não tivesse sido divulgado, que é o que ele merece.

    ResponderEliminar
  2. Vítor Gaspar está de facto curvado, mas não está "subsrviente".

    O ministro das finanças alemão não tem as pernas, que lhe foram amputadas pelo rebentamento de uma bomba. Desloca-se numa cadeira de rodas. Por isso, quem quer falar em privado com ele tem que se curvar para estar ao seu nível. É tão simples quanto isto. Não se trata de se curvar por subserviência, trata-se de se curvar para estar mais perto dele.

    Sugerir subserviência por esta atitude tão simples é deveras inqualificável.

    ResponderEliminar
  3. bom em 1990 e troca o passo, os investidores abandonaram os tigres asiáticos e estes caíram em 10 anos de diminuição de nível de vida corte nas importações poupança forçada durante (até hoje)
    e reinvestimento dessa poupança na economia nazionale

    e tirando a tailândia afogada nas cheias
    e o laos afogado nas máfias chinesas e nacionais

    o resto anda fino...mas nã morto de hambre

    ResponderEliminar
  4. a conversa fez descer os juros do mercado secundário...

    quem quiser vender as obrigações do tesouro para 2022 já só perde 12,5 % ou 12,3%

    em mil euros só se perde 125 é nice...

    ResponderEliminar
  5. Lavoura,
    até jornais como o Público têm este vídeo no site.
    E todos os responsáveis políticos o comentam. Por isso, já não dá para ignorar.

    Quanto ao facto de Schauble se deslocar numa cadeira de rodas: não sabia.

    ResponderEliminar
  6. Ricardo Alves disse...

    Lavoura já não há,


    Quanto ao facto de Schauble se deslocar numa cadeira de rodas: não sabia....ainda bem que nã és arqueólogo filho com um poder de observação desses

    o pessoal dos states pôs 500 mil em titulame de dívida pública
    3000 emigrantes que nunca voltarão ao país puseram uma parte substancial das poupanças (luso-americano também nã poupa muito) em cavalo coxo....

    ser putogoês é peor que ser sportinguista

    ResponderEliminar
  7. LL, quem näo quer ser subserviente senta-se ao lado. Está lá uma cadeira. É subserviente SIM.

    Pois, mas se a cadeira fosse minha também näo admitia que o Gaspar a conspurcasse.

    Bomba? Sem pernas? Entäo meteram-nas de volta, foi?
    http://de.wikipedia.org/w/index.php?title=Datei:Wolfgang_Sch%C3%A4uble.Pfingstmontag.Wallenstein.4018.jpg&filetimestamp=20080307144459

    Näo, foram 3 tiros que o deixaram paralisado. Mas näo o impediram de ser corrupto (acabando por dar o lugar à Merdkel).

    Ah, o nome do facínora é Schäuble. Vá lá que metam Schlaube! :D

    ResponderEliminar
  8. o professorado anda cada vez mais raivoso

    dantes atirava-se à ministra que tinha aventura várias

    agora é aos gaspare's que se agacham

    quando vierem os salários em notas de 500 contos (3 euros e 60 cêntimos por nota) é que ficam finos

    1500 contos = 1500$00 que o professorado ganhava em 1973 ou dará menos?

    com a renda em Moscavide ou na Cruz Quebrada a 1200$00
    era viver em suruba professoral

    maquiavel taradão né?

    ResponderEliminar
  9. Ricardo Alves disse...

    Lavoura,vou prá lavoura que o instituto vai passar a pagar-me em notas de libras do biafra...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.