quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Revista de blogues (16/2/2012)

  • «Se não fosse o 5 de outubro, data fundadora do regime republicano, que permitiu ao mísero professor Cavaco – como ele considera um professor universitário –, chegar a primeiro-ministro e a presidente, ainda hoje seríamos vassalos em vez de cidadãos.

    Surpreende, pois, que quem deve o alto lugar que ocupa à data cuja memória devia honrar, permaneça em silêncio perante a ameaça de extinção do feriado que nem Salazar ousou abolir.

    Este presidente é-o de cada vez menos portugueses e goza da consideração mínima que a Constituição da República Portuguesa impõe, sem cairmos sob a alçada do Código Penal, mas isso não invalida que a sua atitude transforme o título honroso de Presidente da República em mera função burocrática cujo salário troca por pensões que lhe dilatam a remuneração mas diminuem a dignidade.
    (...)
    Esperemos que a desonra de quem decidiu abolir o 5 de outubro e ultrajar a República, por ignorância da história pátria ou por represália reacionária, seja vingada nas urnas e contestada com indignação por quem se revê no regime em que vivemos e se revolta com os protagonistas que o representam, ferindo a herança centenária que, com o 24 de Agosto de 1820 e o 25 de Abril de 1974 são as datas em que a liberdade triunfou.

    Viva a república.» (Carlos Esperança)

1 comentário :

  1. claro ao soares só deram uma chapada quando ele ainda não era presidente e desvalorizou até à morte os baronatos industriais em colapso

    agora sua excelência Cavaco é apodado de ladrão cabrão....o governo é fascista é a morte do artista

    é quisto há presidenttes da élite e presidentes da marquise

    nem todos podem ser Teixeiras gomes
    infelizmente também não arranjamos nenhum sargento que abata os sidónios que estão na reforma ou na reserva...

    and eatmonw

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.