sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

O Banco de Portugal brinca ao Carnaval

Abdico de actualizar a lista de entidades que deram tolerância de ponto para o Carnaval. Já inclui as duas regiões autónomas, todos os municípios do distrito de Évora, as câmaras de Lisboa e Porto, e mais uma lista enorme que cresce todos os dias. Não posso deixar de registar, todavia, que o Banco de Portugal, esse bastião do trabalho duro e da exigência, também brinca ao Carnaval. No sentido de dar tolerância de ponto, claro.

É difícil prever se o Carnaval de 2012 terá o aspecto de quase manifestação anti-governo de 1993. Mas, para já, é uma gigantesca desautorização de uma «austeridade» postiça e, previsivelmente, inútil.

10 comentários :

  1. Quem ouve falar o Costa do BP, percebe tudo.
    Pode ser um bom técnico, só temos bons técnicos, mas é um choninhas, um fracalhote...
    Nem sequer é um pomposo de merda como o 1º ministro.

    ResponderEliminar
  2. Caríssimo,

    O gozo do dia de carnaval pela Banca em geral (e também pelos funcionários do Banco de Portugal), é um direito dos trabalhadores deste sector, conquistado pelos seus sindicatos e inscrito no respectivo Acordo Colectivo de Trabalho. Está lá consagrado que o Dia de Carnaval seja observado como se de um dia de férias se tratasse. Da mesma forma, o referido ACT refere também que sempre que o 24 de Dezembro calhe à semana, seja dada tolerância de ponto aos funcionários da Banca (E agora pergunto eu, o que será que vai Passos Coelho fazer este ano? O 24 de Dezembro calha à 2ª feira).
    E acrescento também, que o direito ao gozo de 25 dias de férias pelos bancários, já fazia parte do ACT da banca, antes de terem sido concedidos aos restantes trabalhadores os 3 dias extra de férias, em função da boa assiduidade.
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  3. Tens toda a razão Pedro Vagos, tens toda a razão, nem sequer foste vagos, antes muito concreto.
    É por causa de ti e de outros como tu (e muito piores), é que isto está como está.
    Quando o dinheiro acabar, masturbam-se todos, agarrados aos ACT.

    ResponderEliminar
  4. sim os famosos carnavais de mora e de mértola são um must...

    o de reguengos é melhor que o de Portel
    já o de alcáçovas acho que fazem carnaval porque têm de poupar a água da junta...em dia de expediente caga lá metade da aldeia
    (perdão vila extinta em 1836...meio milénio de existência antes de cair nas ruinas carnavalescas acho que 10% da populaça tem menos de 30 anos...são 200 etal a reynar)

    o problema é que os 3 putos holandeses e os 12 tailandeses não devem ir ao carnaval

    268 km 2 é muita fruta para andarem a brincar a ver passar os comboios...a estação de alcáçovas inda funciona?

    dava 2% do emprego na terreola
    (contando os dois táxis ...

    ResponderEliminar
  5. Desculpa Farsola, mas garanto-te que não é por minha causa nem pelos 1000 euros por mês que eu ganho, que o país está como está.
    Porque no meio dessa "raiva" toda (aparente) contra os bancários, convinha que distinguisses o que são bancários (que são os que trabalham, precisam do trabalho e, felizmente, têm um Acordo Colectivo de Trabalho (ACT) que os resguarda em algumas situações, mas que também são os que de repente, ficaram sem os fundos de pensões para os quais sempre descontaram) daquilo que são os banqueiros ( que são os que ganham o dinheiro). E os banqueiros, estão-se a cagar para se há ponte ou não há ponte... para eles o ano inteiro é uma ponte, fazem e desfazem como bem lhes apetece. Já os bancários não... precisam do seu trabalho para viver, como todas os outros portugueses.
    E voltando ao assunto que aqui nos trouxe, o que está em causa é a forma como a notícia foi dada. Dizer-se que a banca decidiu fazer ponte, para além de ser falso, é motivador de reacções parvas, e coloca os funcionários da banca (e friso a palavra funcionários, aqueles que terão de trabalhar até aos 65 anos, ou mais - não me refiro aqueles funcionarios nomeados, que passam por lá meia dúzia de anos, normalmente em conselhos de administração e afins, e que quando se vem embora trazem os bolsos cheios e uma futura reforma choruda.

    ResponderEliminar
  6. Abençoadas sejam as empresas em que há Acordos Colectivos de Trabalho. Dos seus funcionários será o reino da estabilidade laboral.

    ResponderEliminar
  7. Pedro Vagos, permita que lhe diga que é precisamente por causa de pessoal que se verga a ganhar apenas 1.000€/mês, deixando os tubaröes que os chulam ganhar 100.000€/mês, que o País está assim.

    (pensamento lateral)

    ResponderEliminar
  8. Maquiavel disse...

    Pedro Vagos, permita que lhe diga que é precisamente por causa de pessoal que se verga a ganhar apenas 1.000€/mês....que um professor do 7º ganha 1780
    e do 9º 2300 (1800 limpos)

    e ganha 475 se trabalhar no continente olha hoje vi lá uma de Francês ou coiso e tal já tem 250 dias de serviço em 3 anos
    e 450 de serviço no Pingo Doce..no continente só tem umas semanas....

    é que tubarões há de todos os tamanhos
    há os reformados a 35.000 ao ano
    e há os de 2200 ao ano...

    é por causa de 500 mil reformados púbicos

    que os restantes 2 milhões de subsidiados
    ganham menos de 3000 por ano...

    o salário mensal de um director escolar (ou já tiraram os 700 euros extra?

    ResponderEliminar
  9. ora uma fábriqueta que gera 3 milhões em vendas por ano e paga 300 mil para a segurança social e em impostos uma centena de milhar

    e só 200 mil em salários (incluindo os 60 mil anuais para o administrador e os 2 contabilistas)

    ou tem um lucro superior a 20% ou vai à falência...

    este maquiavel deve ser um prof.ao estilo João Mineiro era tão burro o moço...agora é director de escola algures na covilhã...

    achava que ia pagar várias vezes a bolsa com os impostos que o estado lhe pagava para trabalhar na púbica função

    o ideal era nacionalizar outra vez tudo...exportavamos trolhas cavadores e enfermeiros a mil contos o quilo como faziamos com os moçambicanos para as minas da áfrica do sud

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.