sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Pela Liberdade Ortográfica

Anda por aí um grande banzé por causa da decisão do senhor Graça Moura de não aplicar o Acordo Ortográfico (AO) na instituição que dirige. Confesso que as discussões sobre o dito acordo sempre me fizeram sono. Mas agora quero dizer qualquer coisita.

Nã chão prechijas regas orthogáficas pa náda. U pechoal êntande-se. Ache difenças ente 1 norme e a outa sã tã pequenines que chó mêmo a mauta de Humanidaches eh q nótta. Quéru la sabere dache maiúcheculas e dache minúcheculas, dus cêz q entrão ôu chaiem, i du restu q nam vô investigare. Nã maquesse nêm marrefesse. Uches corrétôres orto-gáficos ham-de tratáre diço. Acreditu, ichu chim eh imporretente, que a reprezentacham memtale q têmus da língúa despênsa mi-núdices ortogafeiras e q chó che deicha influenchiare pur ella qúândo quere. A verdád é ke se ú leitore nã fore adeveñando pelá funehtica o q tou práqui tranxmiçando neche códigu, eh 1 gramdérrimu análfabetu.

Qúantu aus ilúdídus q injénuamante axam q o AO garâmte l'afirmachon du nóço idíôma nu mumdu, eh deichá-lus çonháre. Ushes douddos nachionalichetas q prutextam pur anti-brasileirismu sam + pergigosos, mache tãobêm + tôlus. I azeditôras q julgão q vam gañare denhêru con díçionérios esqéçem q todu têxtu officiale sae hoge de compotadôrs côn corrétores dortogafia. Nus doc´s nã officialles, nus blógs, nus imeiles e nus diárrius intimus continúaremus chempre a escrevêre cômu kizermus, cômu aliaz jah fázêm us putus dus SMS´s sêm q dêchem d sentender umzazoutrus.


Nota final: os parágrafos anteriores podem parecer escritos ao estilo do mais profílico comentador das caixas deste blogue (a célebre entidade dos múltiplos pseudónimos). Devo acrescentar que não é por ele escrever com uma norma ortográfica aleatória que ignoro as suas intervenções. É por as ideias serem desarrumadas ou sem interesse. E, no fundo, é isso que interessa realmente.

10 comentários :

  1. sã todos livres de ignorar o conceito de norma. o resultado é aqueles que não o fazem ficarem sem vontade de ler, tal o esforço exigido, e a mensagem perder-se.
    isto é como os parafusos: quando o passo é torto, não é por fazer mais força que entra no buraco.

    ResponderEliminar
  2. Eu acho que os acordos ortográficos são sempre chatos e não aquecem nem arrefecem. Por mim, podíamos escrever como o Eça, com as consoantes todas do século XIX. Mas acho que as regras nos simplificam a vida. Não percebo é porque é que temos de as mudar, febrilmente, semana sim, semana não.

    ResponderEliminar
  3. sã ...tá normal se o tal de aves dos rays leixasse a permeria e a utlima letera em cdaa parole a frase seria legível por 90% dos leytores da patria lengua

    ahora alternar termos bõos com otros malos no es aleivosia res publicana mas rial...

    ResponderEliminar
  4. porque todalas lenguas eboluem bué

    mais do que ébola ebolui no mesmo tempo

    o que uns dizem ser uma acumulação de erros

    outros chamam evolui ó são..

    carrada de resmas de massões pouco eboluídos

    ResponderEliminar
  5. never published.
    Mr Assange said: ‘We dealt with the Julius Baer issue in 2008 - that’s when it had its peak

    mas os nomes da lista...never

    lista tá adonde?...é que um cd daqueles dá pra miles de nomes e só portugas há....

    é o problema dos acordos e das weak leaks....of Alves dos Reys
    maçons da monarquia luz y tanas

    ResponderEliminar
  6. zondag 5 februari 2012
    AO ALVES DOS REYS TORTO TUDO CHEGA A BOM PORTO SE CHEGA MORTO
    QUANDO NOS ACORDOS NÃO HOUVER ROMANOS

    NEM ÁRABES NA LÍNGUA VICIOSA

    NEM VÍRGULAS NO MAR, NEM UMA PROSA

    SE DESFOLHAR NOS DEDOS DOS MARRANOS


    QUANDO AS LETRAS RUDES EM PARÁGRAFOS VAGOS

    DESTRUIREM NAS PALAVRAS AS LETRAS FALSAS

    QUANDO O TEMPO ESCORRER LETRAS DESCALÇAS

    E SORVENDO ESVAZIAR OS LETRADOS PAGOS

    QUANDO OS ANTIGOS MESTRES FICAREM MUDOS

    E OS ALVOS REYS DAS LETRAS AGRESTES

    COMO AS GENTES QUE EMPENHAM AS VESTES

    FICAREM SEM PÚRPURAS PALVRAS E VELUDOS

    E QUANDO A SOMBRA DO DESACORDO PESADO

    FIZER SEU ÚLTIMO E FATAL BAILADO

    E OS FRACOS PAUS NESSA MARÉ SALGADA

    SE AFUNDAREM COM LETRAS DE TESÃO

    E AS TURBAS TIVEREM DA PALAVRA DADA

    TUDO DAQUELA LÍNGUA DITA DE CÃO

    NÃO CHAMEM POR MIM, QUE ESTAREI MORTO

    Ó POVO QUE VOLTEIAS DE PORTO EM PORTO

    EDITORA

    TRADITORA

    DE REYS MORTO EM CADA EDITORA TORTO

    Ó ALVES SEM BOM PORTO

    DE MALTESE CORTO

    SORTO IN SORBELHO PORCO
    Geplaatst door SE O BÍDEO COUBESSE NESTE COLHANITO DE BLOGUI FEYTO OUTRO FEYTOR pinto
    CANTARIA...cantaria de pedra lioz...(É cal cário...ó otário)

    alves de rey vário...ó dário

    ResponderEliminar
  7. QUANDO os reys RUDES EM PARÁGRAFOS VAGOS

    DESTRUIREM NAS PALAVRAS AS LETRAS FALSAS

    QUANDO O alves ESCORRER LETRAS DESCALÇAS

    E SORVENDO ESVAZIAR OS parágrafos PAGOS

    QUANDO OS joões bascus FICAREM MUDOS

    E OS ALVOS REYS DAS LETRAS AGRESTES

    COMO AS GENTES QUE se enchem de cipresTES

    FICAREM SEM PÚRPURAS PALVRAS E pELUDOS

    devem usar o depilador olex...

    ResponderEliminar
  8. THE MASSON MOÇON MAÇON TRILOGY OR TRI-LOGGIA
    QUANDO NOS ACORDOS NÃO HOUVER ROMANOS

    NEM ÁRABES NA VELHA LÍNGUA VICIOSA

    NEM VÍRGULAS NA LOJA, NEM UMA GLOSA

    SE DESFOLHAR NOS DEDOS DOS MARRANOS


    OH GENTES MAÇONS QUANTOS ENGANOS

    PORFIÁSTEIS VÓS POR NOSSO ACORDO?

    QUANTOS IRMÃOS QUE SÃO VOSSOS MANOS

    NA RICA NAU ATRACARAM A BOM BORDO?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.