quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Dualidades perversas - Inconformismo e Compromisso

Como já escrevi no texto anterior, «há dinâmicas sociais que dificultam a transformação do mundo num lugar melhor. Elas têm origem na existência de características humanas que tanto têm um lado positivo como negativo, sendo muito raro alguém te-las de tal forma que o lado positivo surge sem o negativo associado; ou a ausência do negativo não corresponde também à ausência do positivo.»

Olhemos para o inconformismo - a motivação para lutar pela transformação do mundo, em vez de aceitar os seus problemas e injustiças. A vontade de adpatar o mundo aos desejos de prosperidade, liberdade, e justiça, em vez nos adptarmos à existência de escassez, tirania, violência, injustiça.

O inconformismo descrito assim parece louvável, e certamente tem um lado muito positivo. Foram incomformistas aqueles que lutaram contra a escravatura, pelo sufrágio feminino, contra a monarquia absolutista, contra tantas formas de opressão injusta. Mas raramente o inconformismo é perfeitamente selectivo.

É comum que os mais inconformistas tenham maior dificuldade em aceitar o compromisso. Não se conformam com menos do que aquilo que acreditam ser justo, e por isso é que não se conformam com o mundo e têm volição para tentar mudá-lo, com todo o esforço que isso tantas vezes implica. Mas sem aceitar o compromisso, é mais difícil trabalhar em grupo de forma eficaz. Quando são precisos muitos para travar uma batalha, a forma como se organizam não poderá parecer justa e adequada para todos, dificilmente parecerá perfeita para a maioria, e será certamente inaceitável se os seus elementos forem incapazes de aceitar o compromisso.

Às vezes o problema pode ser ainda mais complicado. Alguns inconformistas têm volição e consequente empenho porque se vêem fortes e poderosos face ao mundo: não é o mundo quem dita as regras, eles podem muda-las. Mas este egocentrismo - com tudo o que de bom pode ter ao nível da independência intelectual, da originalidade do discurso, etc - pode dificultar também o trabalho de grupo. Mais dificilmente aceitam a perspectiva dos outros elementos, mais dificilmente se conformam quando o grupo rejeitou a sua, nem que seja a respeito de um mero detalhe.

Assim, aqueles que lutam para transformar fundamentalmente o mundo têm mais dicifuldade em ser eficazes quando se associam. E quando a mudança porque lutam é positiva...

... é uma pena.

4 comentários :

  1. As organizações que funcionam na base do dogma e da autoridade funcionam sempre bem, desde que tenham um número mínimo de elementos. O que importa, para eles, é obedecer sem questionar. Nessa base, qq organização funciona. Mas os chatos que pensam pela sua cabeça, que questionam as ordens e tudo o resto, passam o tempo a discutir. E até duvidam da sua própria acção. Mesmo assim, acredito que a democracia é possível.

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo Ricardo.

    Organizações onde se perca muito tempo a discutir, podem ser menos eficazes na luta pelos seus objectivos, mas existe maior probabilidade de que os objectivos sejam os correctos.
    Uma dualidade perversa.

    ResponderEliminar
  3. A dualidade é a do ser humano quando vive em sociedade. É entre o que cada um pretende (os inconformistas com mais volição tendem a acreditar - com mais força - que sabem o que é melhor para eles e para os outros) e o que os outros pretendem ( muitas pessoas acomodam-se às situações em que vivem e rejeitam ideias diferentes) mas há equilibrios.

    É sempre o dilema entre o que se chama "foco" e a capacidade empática de cada um.

    Se a capacidade de empatizar dos inconformistas for pouca, então temos problemas...

    Se a capacidade de ter um foco da maior parte do grupo for baixa ou nula ou tiver sido dissuadida então temos outro tipo de problemas!

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.