domingo, 1 de abril de 2012

Revista de imprensa (1/4/2012)

  • «A última vez que as fontes dos serviços de informação e observatórios de segurança e quejandos fizeram previsões sobre Lisboa a ferro e fogo foi antes da cimeira da Nato marcada para Novembro de 2010. Na altura, as vozes avisadas da inteligência lusa previam a vinda de milhares de elementos do black bloc a Portugal pondo em causa a segurança nacional (...) O recente relatório do SIS, divulgado pelo "Diário de Notícias", que previa uma escalada de violência na greve geral, com confrontos com piquetes, cocktails molotov e ataques a instituições e bancos vem levantar duas questões curiosas. A primeira é por que raio de razão o contribuinte nacional paga para a existência de serviços de informações tão imaginativos que fazem de cada relatório uma espécie de filme de ficção de série B de Hollywood, para passados uns dias se verificar sempre que a montanha pariu um rato. E a segunda questão, talvez a mais importante, é se paulatinamente todos acabaremos por considerar aceitáveis práticas típicas de um Estado policial. Com pezinhos de lã, governos e polícias de turno estão a impor a ideia de que é normal a infiltração em organizações políticas, a vigilância de militantes de esquerda, o recurso a provocadores em manifestações e a agressão a jornalistas para garantir o afastamento de testemunhas incómodas nas próximas cargas policiais. (...)» (Nuno Ramos de Almeida)

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.