segunda-feira, 16 de abril de 2012

Corruptos, autoritários e hipócritas

Num texto recente afirmei que aquilo que verdadeiramente me revolta na actuação do governo não são as políticas associadas ao «liberalismo de direita» (que considero perniciosas e combaterei politicamente), mas sim a corrupção, o desperdício e o autoritarismo.

Não mencionei um terceiro pilar da revolta que sinto: a mentira e a hipocrisia.


As mentiras de Pedro Passos Coelho, e do seu Governo, são muitas e conhecidas. Quando alguém faz toda uma campanha eleitoral a prometer o fim dos sacrifícios - que afirma excessivos - e da não aceitação da austeridade, para depois governar em nome da mesma austeridade que afirmou combater (indo inclusivamente muito mais longe), a demissão é a única solução honesta.
Se Passos Coelho alega e acredita que a austeridade é inevitável, ele deve assumir que se enganou, que fez toda uma campanha eleitoral em nome de uma falsidade, e deve tirar daí as devidas consequências políticas. Que não o faça e consiga continuar a olhar-se ao espelho parece-me sinal de uma enorme falta de integridade moral.

Não é a primeira vez que apresento este vídeo neste blogue, mas para mim é muito importante que não nos esqueçamos da enorme mentira que foi última campanha eleitoral para as eleições legislativas. Deve ser visto do primeiro ao último segundo: