quinta-feira, 19 de abril de 2012

O despejo da Es.Col.A


«O Porto chora» com o despejo da Fontinha, afirma o Es.Col.A.

Em relação a isto, subscrevo o comentário de Paulo Raposo:

«[...] A Câmara Municipal do Porto está a tentar matar algo que reabilita a zona do centro do Porto e que tem o apoio da população. Cabe à Câmara defender os interesses da população [...]. Não cabe à Câmara reprimir ideias e projectos cidadãos, de indubitável mérito e valor, ainda para mais levados a cabo em edifícios que se degradavam a olhos vistos e aos quais a Câmara não conferia qualquer uso. [...]»

Seria interessante permitir a continuação deste projecto, é lamentável que sejam gastos recursos a afogar ideias e projectos com potencial.
Dizem que não se pode despejar uma ideia, e que portanto este projecto não morrerá. Apesar da frase sonante, não é claro que isso aconteça. A ver vamos.

Nota adicional: não posso deixar de destacar, no vídeo da reportagem da RTP, as palavras da entrevistada: «Houve mesmo brutalidade policial. Excessiva. A pontos... Eu... Eu nunca tinha presenciado nada igual». Mais um pequeno sintoma de uma evolução preocupante.

3 comentários :

  1. Segundo o DN:

    «A Câmara do Porto garantiu hoje que estava disponível para permitir a ocupação da Es.Col.A até ao fim de junho, desde que fosse formalizado um contrato de cedência e o pagamento de uma renda simbólica de 30 euros.

    Foi perante "a incompreensível recusa do grupo em aceitar estas condições mínimas exigidas por lei" e "aplicadas a qualquer cidadão ou instituição" que se procedeu ao despejo coercivo, explica a autarquia, em comunicado.»

    ResponderEliminar
  2. O outro lado alega o contrário: que estavam dispostos a cumprir essas condições, e que foi precisamente quando a Câmara compreendeu que existia essa disponibilidade que o diálogo cessou.

    ResponderEliminar
  3. A ser verdade o que diz a CMP, não custava nada pagar os 30 euros até se fazerem obras ao edifício. Custa-me muito a crer numa má vontade tão expícita...

    Mas o episódio com os bombeiros, a ter-se passado como a associação diz, parece-me ser muito grave.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.