quarta-feira, 25 de abril de 2012

As portas que não se podem fechar

O regime saído do 25 de Abril legitimou-se pelas armas, pela população nas ruas e pelo voto nas urnas, mas também pelos progressos políticos e sociais inscritos, ou não, na Constituição de 1976.

Nestes incluem-se salário mínimo e subsídio de desemprego, serviço nacional de saúde e alargamento da escolaridade obrigatória, ou ainda liberdade de manifestação e pluralidade da informação. A legitimidade da democracia não depende portanto apenas de eleições, mas também da satisfação das expectativas de melhoria da proteção social, massificação da instrução e universalização de cuidados de saúde quase gratuitos. E o regime tem sido o menos contestado da nossa história por a população sentir que o seu nível de vida subiu, o analfabetismo e a mortalidade infantil caíram, ou que os jovens podem ir para a universidade e ter um emprego sem emigrarem.

A pretexto da troika e do diktat alemão, Passos e Portas atacam no todo ou em parte progressos que estabilizavam há 38 anos o pacto social entre governantes e governados, tornando este governo o menos legítimo histórica e socialmente desde Caetano. Sente-se mesmo algum revanchismo em medidas emblemáticas como o fim do 5 de Outubro, ou até comprazimento no ataque a direitos laborais. Não terminará pelas armas, mas sim com uma nova maioria que garanta à República o regresso ao rumo que mantinha desde 1974.

4 comentários :

  1. pois filha mas o salário mínimo a 3 contos e 300
    quando andava muita gente pelo conto de réis

    trouxe uma inflação do caralho

    e salários mínimos de 4 contos em 1975

    e reformas de 8 contos para os capitães saneados ou abatidos ao serviço via maleitas ou estilhaços
    e de 20 contos para os generais

    felizmente hoje é só o dobro 2000 e picos ó capitan que vai prós 3000 num risco
    e só 5000 pós generais

    alargamento da escolaridade para pessoal que não queria ficar na escola e queria era dinheiro pa comprar uma mota e ser trolha como o pAE

    E REProvava anos a fio puque o ensino pá era uma merda

    cheio de professores jão baskistas
    é tirar o ouro todo das igrejas que resolve-se logo o défice...e pró ano professô..chamem-me Alvaro pôrra pó ano tiramos o ouro doutro lado qualquer...
    iste eras ciências sociais ou outra pôrra cualquer

    o peixe quera fish chumbou por ter gamado 3 carteiras aos senhores pufessôres rebolucionários foi pra um desses ensinos especiais da época ...pró alentejo e em força

    aos 17 já tava com os costados no linhó
    o bilhete de identidade tirado após o exame da 4ª tinha uns erros no mês

    apanhou hepatite C no SNS da época
    já tinha recebido a B por via de uns amigos
    apanhou tuberculose num dos SLAT's do SNS
    onde tinha de tirar microradiografiAS para poder apanhar o lixo por conta da câmara...

    é foi um Abril com muitas con quistas
    nã foi pra todos
    o peixe quera fish
    tava há 6 anos na lista de espera para uma consulta ao figadal Hepatologista o dele arreformou-se antes de lhe diagnosticar um cancro em cima da cirrose...

    foi ver se se safava no SNS espanhol na nossa comunidade de Sevilha ...puqué questes criminosos de abril vão pra sevilha nã sey

    nã voltou ...se calhar quinou
    deixa uns 7 filhos que se saiba...
    e uns quantes putes e putas que tinha por conta

    foi um caso de insucesso da escolaridade obrigatória tinha falhado o 1º exame da 4ª classe e quando chegou ao ciclo inda nã havia telescola era uma escola das do veiga simão...
    secalhar a culpa nã foi da escolaridade brigatória

    ResponderEliminar
  2. Caríssimo senhor dos múltiplos pseudónimos: não sei porque traz para aqui as suas estorietas desconexas de diz-que-disse que fulano roubou aqui e aproveitou-se acolá e não sei quantos contos de reis, e blá-blá-blá, e na altura dava isto, e este e aquele, mas desta vez vou responder-lhe.

    «alargamento da escolaridade para pessoal que não queria ficar na escola»

    Não é razão para deixar de alargar a escolaridade obrigatória. Nunca foi em país nenhum.

    «E REProvava anos a fio»

    Felizmente havia exigência!

    «é tirar o ouro todo das igrejas que resolve-se logo o défice»

    Concordo consigo! Desta vez acertou!

    «o peixe quera fish chumbou por ter gamado 3 carteiras aos senhores pufessôres»

    Vá lá, devia era ter ido para a choça...

    «aos 17 já tava com os costados no linhó»

    Aaahhh, vê? O sistema judicial funciona!

    «é foi um Abril com muitas con quistas»

    Já concordámos em algumas.

    «nã voltou ...se calhar quinou»

    Lamento saber. Era muito seu amigo?

    «deixa uns 7 filhos que se saiba...»

    Vai ajudá-los?

    «foi um caso de insucesso da escolaridade obrigatória tinha falhado o 1º exame da 4ª classe»

    Pela sua descrição, era um delinquente. Não culpe a escolaridade
    obrigatória pela delinquência...

    «secalhar a culpa nã foi da escolaridade brigatória»

    Vê como concordamos?

    ResponderEliminar
  3. ó pá camarada pá deixa o teu carapuço de burguês pá e vê satinas pá

    O Soares e outros pá meteram o conselho da revolução em 82 pá, no armário da associação 25 davril pá

    o con selho acusava o soarismo de se ter vendido aos amarikanos e ter metido a rebolução no caixote

    e o sucia lismus na gabeta e tal pá

    Pela sua descrição 8tamos tã formais pá , era um delinquente....a rebolução de avril pá trouxe liberdade mas não liberdade económica
    os filhos das barraCAS continuaram nas barracas

    e nem podiam ir trabalhar...porque a escolaridade impedia-o em ambiente citadino
    queriam dinheiro para fazer o que os outros faziam e roubavam porque já ninguém os prendia...eram menores

    Não culpe a escolaridade
    obrigatória pela delinquência..sem cursos profissionais e sem comida no refeitório de graça...o SASE era embrionário nesses tempos e os filhos da miséria não tinham nº na porta da barraca

    logo eram obrigados a amargar 8 horas sentados ou fugiam da escola e faziam-se à vida

    a escola tal como hoje não garantia nada para 1/4 dos putos....a rua sim...

    logo o raciocínio do puto escrivente é redutor
    pode-se ser jovem até aos 80...mas tem o problema do raciocínio infantil pá...

    Abril trouxe liberdade e anarquia durante uns meses
    (e esperança de igualdade económica) mas passados uns meses essa esperança ia-se esbatendo

    tal como os 1ºs republicanos da rotunda
    aquela nã era a república à zé do telhado que tinham ambicionado

    as reboluções rodam sempre 360º sanão não eram reboluções

    olha o Sou Ares aliado aos seus inimigos e engolidores de sapo de antanho a dizer que não quer Portas Agonismo nem tem agenda política

    aquilo é qué um golpe de cintura...

    aprende puto aprende
    que chegas ao 33º..

    ResponderEliminar
  4. Ricardo AlvesApr 25, 2012 04:22 PM

    Caríssimo (bolas pá sou?) senhor dos múltiplos pseudónimos (isto são avatares ou frases soltas Força Força dificilmente será um pseudónimo)
    : não sei porque traz para aqui as suas estorietas (historietas) desconexas(,) de diz-que-disse que fulano roubou (roubou isso é calúnia toda a propriedade é roubo logo roubar o que não é do outro não é roubo, apenas troca de possuidor)aqui e aproveitou-se acolá (adonde?)e não sei quantos contos de reis (contos de réis é só quando acabar o euro), e blá-blá-blá-(blá) queu não blabo menos que ocês, e na altura dava isto, e este e aquele, mas desta vez vou responder-lhe....

    Errradus : isto é um comentário a um comentário

    Responder necessitaria que alguém perguntasse alguma cousa né?

    Isto por exemplo é uma interrogação para ver se o gaijo percebeu

    o gaijo poderia responder se isto fosse um apólogo dialogal - Pecebi nã senhô caríssimo

    Por Exemplo-2 : Carta Aberta ao Golpe de Estado

    Ou Golpe de Estado? Sim, Obrigado

    seriam melhores títulos para o poste de baixa tensão

    Isto é um comentário Ao Título do Poste

    Ali diz adicionar comentário e eu sou bem educado pelo sistema púbico

    Pecebeste?

    Oviamente nã...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.