domingo, 2 de janeiro de 2011

Revista de blogues (2/1/2011)

  • "LEGITIMIDADE REVOLUCIONÁRIA: Na sua autobiografia ("Under My Skin"), Doris Lessing oferece alguns exemplos de argumentos que eram por vezes usados, nos meios comunistas, para justificar a admiração e a legitimidade de autores desinseridos do cânone revolucionário:
  • D.H. Lawrence? Filho de um mineiro. (Logo, proletário.)
  • T.S. Eliot? Descrevia a decadência da burguesia, não era?
  • Yeats? Irlandês, logo membro de um povo oprimido.
  • Virginia Woolf? Mulher.
  • Orwell? «At that time [meados dos anos 40] he was being insulted by the Party, because he had told the truth about Spain. The trouble was some of us admired him. How did we get around this? I forget.»" (Alexandre Andrade)

1 comentário :

  1. Doris Lessing foi uma muito chata autora de ficção científica e um prémio Nobel muy .....

    para justificar a admiração e a legitimidade de autores desinseridos do cânone revolucionário...pode-se arranjar exemplos de tudo

    Marx foi muitas vezes também chamado pela sua falta de raízes
    proletas

    o manifesto e das kapital foram pretensamente subsidiados pelo proletário dos mares Jean Lafite

    já agora o nome de um grande pensador que tenha sido proleta ou campesino toda su vida

    ou mesmo parcialmente

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.