terça-feira, 8 de junho de 2010

O anonimato e a responsabilidade

Se eu concordo que, como parafraseia a Shyznogud (nome real aqui), o que conta (principalmente) é o que se diz e não quem o diz, não deixa de ser verdade que quem diz deve assumir a responsabilidade do que diz. E o anonimato é uma fuga às responsabilidades. (Dito isto, não concordo que se faça uma lei para acabar com o anonimato nos blogues; mas acho que se deve fazer a pedagogia da responsabilização.)

6 comentários :

  1. Prefiro falar em heteronímia q em anonimato (porq o q está de facto em causa é o uso de nicks). Essa da fuga às responsabilidades é uma falsa questão, não existe anonimato a sério na net, em caso de violação da lei (por difamação, por exemplo) não é um nick q protege qm quer q seja. E tenho de ser mto curta porq uma bursite no ombro impede-me de escrever muito sem ganir de dor.

    ResponderEliminar
  2. Concordo plenamente com o camarada Ricardo! Ao ponto que isto chegou. Estou farto de ver o governo comunista de José Socrates a firmar alianças com o comunista do Chavez. Chegou a altura de chamar à responsabilidade todos os eleitores que anonimamente (nas urnas) votaram neste governo.

    ResponderEliminar
  3. "quem diz deve assumir a responsabilidade do que diz"

    Isto não é sempre verdade. Suponha o caso do whistleblower, isto é, daquele insider de uma organização (empresa, governo, etc) que vem cá para fora denunciar algo de irregular, criminoso, etc que se passa dentro dessa organização, com o fim de dar início a uma investigação judicial. Esse whistleblower tem que permanecer anónimo, sob risco de perder o seu emprego nessa organização.

    Da mesma forma, suponhamos uma pessoa cujo empregador a proíbe de se manifestar publicamente sobre determinados temas, para não prejudicar a empresa e/ou os seus clientes. Se essa pessoa resolvesse falar sobre esses temas assumindo a responsabilidade pelo que diz, pois bem, seria despedida.

    Por estas razões, eu considero o anonimato perfeitamente admissível, tanto na blogosfera como fora dela. Depende apenas dos assuntos para os quais esse anonimato é utilizado. Se o anonimato é utilizado para insultar ou achincalhar os outros ele é, evidentemente, condenável.

    Luís Lavoura

    ResponderEliminar
  4. Luís Lavoura,
    a gama de casos que referes é muito limitada. Aqui, estamos a discutir a questão mais geral do anonimato na blogo-esfera.

    ResponderEliminar
  5. Shyznogud,
    parece-me mais grave o anonimato nas caixas de comentários do que nos autores dos blogues. Os autores de blogues, pela continuidade da assunção de uma identidade, mesmo que falsa, ficam com uma certa dose de responsabilidade (mesmo assim, acho que deveriam assumir com nome o que escrevem). Os comentadores anónimos, pelo contrário, podem dar-se ao luxo de serem comunistas numa caixa de comentários e anti-comunistas na seguinte (ou até na mesma), ou islamofóbicos e islamófilos conforme o dia. E, às tantas, é impossível saber com quem se está a discutir para além do comentário específico a que se está a responder. O que torna a discussão mais pobre.

    As melhoras.

    ResponderEliminar
  6. Ricardo,

    Acho que estás a ver o problema ao contrário. Exprimir-se sem ser identificado é um direito. Podemos não concordar sempre com o seu uso, mas não é legítimo privar alguém dessa possibilidade.

    Proponho que o problema está no outro lado. Na credulidade de quem lê e ouve. É esse que se tem de resolver.

    Quem comenta anonimamente está a exercer um direito normalmente sabendo o que faz. Alguns podem ser irresponsáveis nesse exercício, mas não se pode generalizar.

    Agora quem acredita numa coisa só porque alguém disse ou escreveu está sempre a ser irresponsável. Enfiar um barrete, se bem que seja também um direito, é geralmente exercido de forma involuntária. E aceitar as coisas sem pensar primeiro parece-me uma irresponsabilidade mais danosa que opinar sem dar a cara.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.