segunda-feira, 21 de junho de 2010

Faltar à verdade

O Policarpo saiu-se com esta:
  • «A colocação de crucifixos nas salas de aulas das escolas do país, “acabou por ser espontânea e por ser sempre um pouco ao nível da decisão da comunidade local”». (Público)
Acontece que ele não deve ignorar que está a apelidar de «espontâneo» um acto decidido em lei por um Estado autoritário:
  • «Em todas as escolas públicas do ensino primário infantil e elementar existirá, por detrás e acima da cadeira do professor, um crucifixo, como símbolo da educação cristã determinada pela Constituição.
    O crucifixo será adquirido e colocado pela forma que o Governo, pelo Ministério da Educação Nacional, determinar.
    » (Lei nº 1:941, de 1936; ver a «Base XIII»)
A isto, chamo faltar à verdade (porque hoje estou bem disposto).


Outro aspecto que merece ser mencionado: Policarpo critica o aspecto individual da liberdade de religião, defendendo que «a colocação de crucifixos nas escolas deve respeitar a vontade das comunidades» (RR), e apela a que «as autoridades não caiam em exageros» e que «por causa de uma pessoa [se faça] um processo que vai até ao Parlamento Europeu». Duas correcções: o caso Lautsi não foi iniciativa do Estado, mas de cidadãos que contrariaram a inércia do Estado italiano; e creio que Policarpo queria aludir ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Ponto de ordem: a liberdade é sempre individual. E só vale a pena se for para ir contra a «maioria» e a «tradição» da comunidade. Para seguir com a maioria e com a tradição, a liberdade não faz falta.

2 comentários :

  1. É bom que exista quem denuncie estas falsidades quando são expressas publicamente.

    É pena que poucas vezes sejam os jornalistas dos orgãos de comunicação social, quem aliás teria obrigação disso mesmo.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.