sexta-feira, 4 de junho de 2010

Endividar-se é tão fácil como jogar à bola

Por estes dias, a banca, o sector que mais responsabilidades tem nesta crise, inunda-nos de publicidade alusiva ao Campeonato do Mundo de Futebol para nos vender a mesma banha da cobra, mas desta vez bem mais cara e embrulhada na camisola da selecção. Vamos todos abrir contas com a mesma facilidade com que o Ronaldo dá toques na bola, embora essas contas comportem despesas correntes mais caras sem qualquer justificação. Vamos todos comprar carro, casa, tralha para a casa e obviamente receber o ordenado meses antes de ser pago, tudo isto com a mesma facilidade com que o Nani dá cambalhotas após cada golo, embora com juros mais altos...
As ilusões e o facilitismo que a banca tem vendido aos seus clientes nas últimas décadas continuam presentes na publicidade sem qualquer decoro, desta vez num clima de cinismo completo. O mesmo contribuinte que já está a pagar através dos seus impostos os roubos perpetrados pelo sector financeiro está a ser aliciado pelos bancos (muito poupados pelas medidas restritivas) a continuar a endividar-se, mas desta vez a preços bem mais elevados. É um conceito interessante em que se pede ao cidadão que pague para poder ser roubado pela segunda vez e se concede uma espécie de amnistia a quem rouba.

10 comentários :

  1. Mas a banca não obriga ninguém a endividar-se. A responsabilidade do endividamento excessivo é de quem se deixou aliciar, não é de quem alicia.

    ResponderEliminar
  2. Também é de quem alicia. Um problema do liberalismo extremo é esse: só responsabilizar quem compra, e não também quem vende (e neste caso, de quem vende gato por lebre a prazo).

    ResponderEliminar
  3. Ricardo,
    uma coisa é vender gato por lebre e isso deve ser regulado (o Banco Portugal aumentou o controlo sobre o marketing financeiro recentemente). Aqui estamos de acordo.

    Para lá disso, há o aliciamento "legítimo". Parece-me que muitas vezes o que está por detrás destas críticas são um preconceito sobre tudo o que cheire a mundo financeiro que acha que -independentemente da situação - a culpa é sempre da banca.

    Dito de outro modo, porquê responsabilizar a banca por quem se endivida e não responsabilizar os restaurantes pela obesidade?

    ResponderEliminar
  4. Miguel,
    justamente. Não há publicidade favorável à obesidade. Até há instituições públicas que alertam para os riscos da obesidade. Com os bancos, é ao contrário.

    ResponderEliminar
  5. Ricardo,
    basta ligar a televisão para ver publicidade a gelados, a hamburgueres, etc.

    ResponderEliminar
  6. Sim, Miguel. Mas também tens escolas e educadores a alertarem para os riscos da obesidade, campanhas nacionais, etc.

    ResponderEliminar
  7. Obviamente!
    E concordaria se defendesses campanhas semelhantes contra o excesso de endividamento.

    O que está em causa é culpar a banca por isto, e não se culpar a restauração pela obesidade. É aqui que vejo o preconceito cego (passe o pleonasmo) anti-banca.

    ResponderEliminar
  8. Então estamos de acordo: Estado e instituições deveriam ser mais pro-activos contra o endividamento excessivo.

    ResponderEliminar
  9. Eu não culpo os bancos pelo endividamento excessivo, tal como não culpo os restaurantes pela obesidade.
    Presumo que culpes os primeiros mas não os segundos.

    É aqui a discórdia. :)

    ResponderEliminar
  10. Miguel,
    eu não culpo exclusivamente os bancos pelo endividamento excessivo. Mas também não culpo exclusivamente os toxicodependentes pelo seu vício.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.