quarta-feira, 9 de junho de 2010

Daqui, sem poder e sem ânsias

É cómico ser acusado de «esquerdismo revolucionário» por alguém que, há menos de um ano, escrevia na revista da UDP(*). Ainda mais cómico é que esse mesmo alguém venha insinuar que «anseio o poder» (creio que queria insinuar que «anseio pelo poder»), quando apenas há sete meses era ele quem estava no blogue de campanha do PS.

Não lhe invejando portanto nem a coerência das ideias nem a gramática, não deixo de achar muito significativo que quem há um ano sugeria a ilegalização do PNR, e usava «ultramontano», «retrógrado» e «populista de direita» com sentido pejorativo, manifeste agora opiniões ultramontanas que fazem César das Neves parecer um moderado, e o PNR o seu voto natural. Seria já assim há um ano, por baixo da máscara?

(*) Trata-se, aparentemente, de outro Carlos Santos. O que não é o caso neste artigo.