sábado, 13 de março de 2010

Isto existe?


Mandaram-me isto e juraram-me que este personagem existe, que isto não é um sketch do Gato Fedorento... :o)

Para mim, que odeio futebol, que acho o jogo uma coisa incompreensível, com uns selvagens aos pontapés uns aos outros e numa bola, a cuspirem uns nos outros e a tentarem meter a bola num camaroeiro, as claques aos berros, com suásticas, os comentadores sem saberem falar... Ouvir isto é um sonho.

13 comentários :

  1. Bom Dia,
    Filipe, tenho de lhe agradecer o facto de me ter permitido começar este dia de forma tão bem disposta.

    ResponderEliminar
  2. Olá. É só para indicar a existência de um blog novo:

    olhequenao.wordpress.com


    Abraço. JG

    ResponderEliminar
  3. Alô ricardo carvalho/schiappa, está aí? nao quer vir defender o seu PS???

    ResponderEliminar
  4. Eis um discurso de um cidadão de Esquerda e Republicano.

    ResponderEliminar
  5. a situação é do mais hilariante que já vi, agora a tristeza de estarmos entregues a gente desta...

    ResponderEliminar
  6. Sim, é um discurso patético e ridiculo de um cidadão de esquerda e republicano.

    ResponderEliminar
  7. Mas esse tipo veio para lá brincar? :O
    A voz dele é igualzinha á do Miguel Góis!!!

    ResponderEliminar
  8. Parece-me evidente que o homem queria mostrar que o facto de ser do FCP não o impedia de tratar outros clubes de forma imparcial - e por isso ia ler a carta do Benfica. E que, portanto, outras "filiações" não o impediam de tratar os negócios como negócios. Que o presidente da Comissão Parlamentar, tendo percebido que era esse o ponto dele, tenha evitado que ele continuasse, exemplifica quão isento tem sido este presidente de Comissão. Que tão astutos bloguistas e comentadores não percebam isso, já terá razões que me escapam.
    (A retórica do homem é fraca, isso é verdade, mas isso não tem nada a ver com o essencial. Embora seja emocionante: não sei se mais a parte da filha do Sporting se a do avô paterno e da bandeira...)

    ResponderEliminar
  9. Porfírio:

    Eu percebi que a ideia era essa. Mas alguém que quer provar a sua isenção vai mostrar uma carta do benfica a dizer que tudo correu bem, alegando ser um grande adepto do Porto??

    Isso seria como eu, para provar que não roubo, contar em detalhe a última vez que fui à mercearia, e descrever em detalhe o quão confiáveis são as 7 testemunhas de que dessa vez não levei nada.

    Mal seria que o senhor fosse incapaz de ter boas relações com o benfica por causa da preferência clubística. Tanto detalhe, tanta informação sobre a sua paixão pelo futebol para pretender revelar um episódio em que não fez senão a sua obrigação, e que portanto não prova nada. Quase que passa a imagem oposta, como no exemplo que dei da mercearia.

    Mas eu acho que aquilo que diverte as pessoas não é isso. Temos de confessar que o episódio tem o seu quê de divertido. E, sendo franco, tem pouco de grave. É mais cómico que outra coisa.

    ResponderEliminar
  10. Porfirio: o meu problema e que um gestor com o poder (e o ordenado) deste homem nao consiga exprimir uma ideia tao simples em quase quatro minutos.

    ResponderEliminar
  11. Fui à mercearia e estava lá chocolate negro, e eu sem dinheiro. Todos os meus amigos sabem como eu adoro chocolate negro. Já o meu avô adorava chocolate negro, e todos os Natais existe sempre quem me ofereça chocolate negro. Se há um dia que não como pelo menos um quadradinho, até fico mal disposto. E na mercearia o chocolate era 90% cacau. Esse é o meu preferido. Eu ADORO quando tem tanto cacau, e até digo que para mousse - que por sinal não dispenso pelo menos uma vez por semana - não há melhor. Sou maluco por chocolate, como muitos portugueses, mas acho que sou capaz de ser mais ainda, principalmente no que diz respeito a chocolate negro.
    Mas estava ali na loja, sem dinheiro, e o chocolate negro à minha frente, e tenho aqui as imagens tiradas pela câmara de vigilância, em como não roubei nada.

    Portanto não digam que posso ter roubado aquele agrafador no outro dia.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.