sexta-feira, 5 de março de 2010

Da UE enquanto forma de imperialismo germânico

Os euro-entusiastas dizem que a União Europeia, para os países pobres, não é uma forma de trocar soberania por dinheiro. E no entanto, parece que há pelo menos dois deputados alemães que encaram a UE como uma forma de a Alemanha ir comprando o sul da Europa.
  • «“Aqueles que se encontram em processo de insolvência têm de vender tudo o que têm para pagar aos seus credores”, argumentou Josef Schlarmann, membro do partido de Angela Merkel. “A Grécia tem edifícios, empresas e ilhas não habitadas, que podiam ser usadas para amortizar a dívida”, disse. “Se tivermos de ajudar a Grécia com milhões de euros, eles têm de nos dar algo em troca – por exemplo algumas das suas maravilhosas ilhas. O lema: vocês recebem carvão. Nós, Corfu» (i)
Que lema tão bonito. Proponho que seja adoptado como letra do hino da Grande Nação Europeia.

Adenda: a notícia do i, como acontece frequentemente por aquelas bandas, é uma trapalhada. Os deputados são Frank Schaeffler (que sugeriu apenas a venda de «ilhas desabitadas» e é do FDP) e Marco Wanderwitz, que é da CDU e sugeriu, efectivamente, uma «troca»: ilhas gregas por ajuda económica alemã. A frase que destaquei em cima parece ser do tablóide Bild. Obrigado, The Guardian.