sexta-feira, 6 de abril de 2007

José Miguel Júdice: «O capitalismo selvagem e as universidades»

  • «(...) em muitos sectores (e não só no ensino) o Estado português falhou clamorosamente quando teve de passar de produtor monopolista a regulador de sectores liberalizados e/ou privatizados. Durante décadas (para nos limitarmos ao nosso tempo), o Estado era dono de todas as universidades. Controlava-as, mal, como se controlam repartições públicas. A entrada no mercado de universidades privadas devia ter sido acompanhada da criação de estruturas que, de forma consistente, independente e profissional, exercessem uma função de regulação de todas as universidades, públicas ou privadas. Nada disso aconteceu. O resultado está à vista: passámos de um modelo colectivista de venda de serviços de ensino para um modelo de capitalismo selvagem, sendo irrelevante a forma jurídica ou a estrutura da propriedade dos activos em cada uma das universidades.» (Público)

5 comentários :

tiago disse...

Que queres dizer com este excerto??!!

Universidades não podem ser lucrativas?!

As universidades não se podem constituir conforme as circusntançias dos seus criadores?!

O problema neste como noutros casos é o facto do ESTADO apesar (por causa das) graves tendencias expansionistas não consegue fazer o minimo para o bom funcionamento da sociedade que é REGULAR.

Ricardo Alves disse...

Senhor «Tiago»,
o que eu quis lembrar com este excerto foi que a utopia de que basta deixar funcionar o mercado para melhorar a qualidade dos produtos (e simultaneamente baixar os preços, na versão mais lírica) está a ser refutada. Nomeadamente no sector do ensino universitário, embora haja outros exemplos.

Tiago disse...

O problema da Independente foi absoluta e total falta de regulação... até a mais basica empresa tem que ter registos de contas com vários anos. Não compreendo como uma universidade que tem como trabalho "formar" não tem registos dos seus alunos.

Isto cheira como sempre a INCURIA da parte do estado, a mesma falta de controlo que levou a uma ponte cair sem haver culpados, "causas naturais" dizem por ai.

Como já deves ter compreendido pelos meus comentários não acredito na bondade do estado, nem acredito que o estado tudo deve fazer.

Mas um estado com 750 000 funcionários quase 1 (um) portugês em cada 10 (dez) trabalha para o estado e depois veem dizer que não sabiam. Queres que fique feliz? Ou seja cinico e diga que faltava mais um controleiro para a Independente?!

... e contudo o mercado parece que funciona, basta perguntar aos que lá estudam que andam a mudar- se para outras universidades. Coisa que provavelmente seria impensavel nas publicas, levando estudantes a ficarem com a má fama da Independente.

Ricardo Alves disse...

Para os neoliberais, a culpa é sempre do Estado. Até quando tudo corre mal numa empresa privada, a culpa é do Estado... ;)

Tiago,
se o mercado continuar a funcionar, mais universidades privadas fecharão. Tira alguma lição?

tiago disse...

Que não á espaço ou não são suficientemente boas para os preços que praticam?

Não á espaço porque tivemos um Boom de licenciaturas e estudantes e agora (hoje) temos falta de estudantes (com a acentuada queda da natalidade) sendo que as Universidades estatais continuam mais ou menos com as mesmas receitas idependentemente no numero de alunos.

Provavelmente também as licenciaturas que apresentam não se adequam ao mercado de trabalho (com as chamadas licenciaturas de papel e caneta), se a isto tivermos em conta que nas estatais também abunda esse tipo de licenciaturas.

Queres que diga que elas provavelmente teem qualidade?!

Provavelmente não!! Mas o Ricardo fica feliz porque assim ja pode propagandear as virtudes do Estado.

Como diria Belmiro de Azevedo, onde o estado tem negocios é muito dificil trabalhar.