terça-feira, 20 de julho de 2010

A estação parva

Sabemos que entrámos em pleno na estação parva («silly season» para os mais anglófilos), quando um líder partidário que nem sequer foi a votos consegue encher os jornais com notícias confusas, contraditórias e sensacionalistas sobre uma revisão constitucional que não está ainda no domínio público, e que não será nunca aprovada apenas com os «seus» 81 deputados.

Deixai o sr. Passos Coelho a falar sozinho. Quanto mais grita, mais se revela. Cada vez se percebe melhor por onde ele iria, se pudesse, do Estado social ao equilíbrio de poderes, da «flexibilidade» laboral ao sabão que quer passar sobre os crimes da PIDE.

A Constituição não é uma composição de adolescente, para ser riscada e corrigida a cada duas legislaturas. Em rigor, nem há necessidade gritante de mexer uma vírgula. Ou há? E porquê? Por causa de uma azia com 36 anos?