sexta-feira, 4 de maio de 2012

O projeto político do Pingo Doce

Não devemos culpar ou apontar o dedo, de maneira nenhuma, aos portugueses que passaram o seu 1º de Maio nas filas do Pingo Doce à espera de um desconto de 50% em todas as mercadorias. Nem sou eu que vou julgar quem fez compras de forma "irracional" - também aproveito os cupões do Minipreço e os descontos de 75% do Continente como posso, e facilmente compro azeite, arroz, café ou vinho em grandes quantidades se o preço for convidativo. Agora, eu não faço estas compras no Dia do Trabalhador. Uma vez mais: no estado atual de crise, não condeno quem se tenha aproveitado desta promoção, que bastante diferença pode fazer nas contas do fim do mês. Mas, e isto é o mais importante, as promoções que eu uso estão disponíveis em todos os outros dias (sendo que uma das lojas, o Minipreço, até estava fechada no Dia do Trabalhador). A promoção do Pingo Doce - é isto que eu condeno - tinha como principal objetivo o ataque a este dia. Os patrões das outras lojas são tão capitalistas como o do Pingo Doce, mas o do Pingo Doce é pior. Os outros acima de tudo querem é vender muito, e mais (e condições políticas favoráveis a isso, claro). O patrão do Pingo Doce tem um projeto político próprio. A "Fundação", a obra "filantrópica" e este ataque ao Dia do Trabalhador são só aspetos desse projeto. Ainda o veremos a lançar um candidato à Presidência da República. Leitura complementar: A revanche do Pingo Doce, por André Barata.

9 comentários :

Ricardo Alves disse...

Filipe,
como já te disse, não acredito que a principal motivação fosse política. E até me espanta que tanta gente aborde a questão por esse ângulo, quando o que foi dado foi um sinal forte de crise no sector da distribuição. Acredito que estejam muitos supermercados para fechar, o Pingo Doce talvez tenha conseguido matar alguma concorrência com esta operação.

E digo isto sem negar que o Soares dos Santos tenha um projecto político ou que não esteja a pensar lançar o António Barreto para PR.

Luís Lavoura disse...

aproveito os descontos de 75% do Continente

Está a aproveitar-se do dumping, o qual contribui para levar tantos pequenos e micro-comerciantes à ruína.

eu não faço estas compras no Dia do Trabalhador

Eu não faço estas compras em dia nenhum. Mas no 1º de maio passado comprei vinte euros de carne num talho halal perto de minha casa. Estavam lá o patrão e um trabalhador, ambos turcos, que pareceram ficar muito satisfeitos com as minhas compras.

Demo Gra Pia disse...

no dia do trabalhador o seven eleven fecha no Texas é....

cê num trabalha no 1º de maio no texas?

é feriado?

ou cê já num tá no kansas anymore...toto

tem minipreço no texas?

Filipe Moura disse...

"Está a aproveitar-se do dumping, o qual contribui para levar tantos pequenos e micro-comerciantes à ruína."

Luís, essa sua "acusação" é interessante, e não é totalmente descabida. Mas não me parece óbvio que os descontos de 75% do Continente sejam dumping, ao contrário dos descontos de 50% do Pingo Doce. Isto porque os descontos do Pingo Doce são imediatos e correspondem ao efetivo preço de venda, enquanto os do Continente não correspondem ao efetivo preço de venda, que é de 100% (é o que aparece no talão). O desconto de 75% é em cartão e, sobretudo (isto é que é importante) não pode ser gasto livremente: não é "cash", como o do Pingo Doce. Tem que ser gasto no prazo que o Continente determina, e nessa altura eles não estão com estas promoções. Não estou com isto a garantir que não seja dumping: é uma boa questão para um jurista. Apenas direi em minha defesa que a ASAE já disse que a promoção do Pingo Doce era dumping (para alguns produtos), e relativamente ao Continente não disse nada.

Ricardo, o que dizes até pode fazer sentido mas não é óbvio nem está provado. O que eu digo é óbvio - não é especulativo. Por isso é isto que me preocupa.

Demo Gra Pia disse...

e os descontos de 75% do incontinente

servem essencialmente para escoar stocks

de fraldas Lindor ...de Azeite a 4 euros que é vendido em promoção a 1 eurro e 20 no Auchan

de pão-de-forma sem côdea bimbo que acaba a dia 23 e há 18 tones dele sem compra

de donuts que acabam a dia 5 e dia 5 é já amanhã
ou vai com 75% de desconto ou vai ao lixo

e vinhos do grupo sonae e grão-pará
que estão sem saída na espanha e france

há mais binho Dão do que Dão em vinha...

HORIZONTE XXI disse...

Para quem tem comiçhão com o 1º Maio, podemos colocar a questão de outra forma, é o simbolo, o desligamento progressivo com o significado dos simbolos.

Nightwish disse...

No capitalismo moderno, vale tudo menos arrancar olhos. Já comprá-los, tá-se bem.

Maquiavel disse...

O que acontece aos chico-espertos, ganham no curto prazo, mas sai-lhe sempre o tiro pela culatra no médio/longo prazo. Vereis.
RA, a tua boa vontade é louvável. Eu também queria pensar que a motivaçäo näo fosse política; se assim fosse isto seria feito num Sàbado qualquer, e näo num certo dia feriado que andam a querer que deixe de o ser.

A única concorrência a quem o PD matou foi mais um ou outro pequeno comerciante. E daí näo sei. É que houve muita gente que açambarcou latas que pareciam conservas e depois ao chegar a casa viram que era comida para animais (näo-humanos). Também se come. Mas...

RA escreveu ainda "E digo isto sem negar que o Soares dos Santos tenha um projecto político ou que não esteja a pensar lançar o António Barreto para PR."
E näo vês relaçäo? Olhando a isto e ao dia em que foi implementada a promoçäo... 2 + 2 = 4.

Demo Gra Pia disse...

MaquiavelMay 5, 2012 09:53 AM

O que acontece aos chico-espertos, ganham no curto prazo, mas sai-lhe sempre o tiro pela culatra no médio/longo prazo. Vereis.....

mas és o maquia à vela ou o Nostradamus?

pelo estylo é mais um Bandarra semi-aluado

semi é exagero...tás candidato a balear o Egas moniz