segunda-feira, 21 de maio de 2012

Marketing




Na ilustração lê-se «Precisa de concertar a janela? Ligue: 555-2984».
Uma sátira pertinente. Efectivamente, muito do Marketing serve para destruir valor.
Não necessariamente de forma ilegal, como na sátira apresentada, mas através da manipulação psicológica e emocional. É sabido e assumido que em algumas situações é objectivo do marketing criar necessidades inexistentes, objectivo que corresponde a uma destruição de valor. Participar nesse processo pode ser uma ocupação profissional legal, mas não deixa de ser imoral e vergonhosa.
Não sou da opinião que a lei deveria ser mais restrita por forma a impedir estas situações: são as pessoas que devem aprender como funcionam estas estratégias de manipulação, para que lhes possam resistir com eficácia.

2 comentários :

  1. Acho que se os anunciantes tem direito a fazer quase qualquer coisa, a sociedade deveria ter direito a se defender. I.e. deveria haver direito a criticar, a deconstruir, a nos rir, da publicidade. Mas não da publicidade em geral, senão das propagandas individuais. Assim deveriam haver programas nas tvs públicas dedicadas a criticar as propagandas, com humor a ser possível. E nas escolas deveria haver aulas dedicadas a desvendar às crianças as técnicas, armadilhas e enganos da publicidade, com exemplos reais e actuais.

    ResponderEliminar
  2. Se Moncho,

    O problema dessas sugestões está nos detalhes. Por exemplo: existia uma cadeira no ensino secundário(?) dedicada à publicidade, mas funcionava ao contrário - eram as grandes empresas que a usavam para promover os seus produtos.
    Mas acredito que no ensino (e principalmente em casa) deve existir uma forte promoção do espírito crítico face a técnicas de controlo psicológico, que não se limite à publicidade mas à propaganda em geral.

    Para a ideia de um programa na televisão pública, ela deve ter apesar de tudo alguma autonomia, mas faço considerações análogas às anteriores.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.