quarta-feira, 9 de maio de 2012

Nova Europa, novas incógnitas

Parece que afinal as eleições ainda podem mudar alguma coisa na Europa dos bancos e dos mercados. Em particular, se forem num dos países centrais do império germano-francês ou se, como na Grécia, cortarem para menos de metade o voto pró-troika.

Morta, para já, está a política de Merkozy. Porque Hollande tentará que as eurobonds se tornem realidade ou, heresia, que o BCE empreste directamente aos estados. E porque Merkel terá de começar a falar de crescimento e emprego, sabendo que é o seu parceiro mais austeritário e neoliberal (o FDP) que tem agravado as derrotas estaduais da direita alemã.

Em boa verdade, ninguém sabe quanto é que Hollande fará Merkel recuar. Nem que governo sairá da Grécia. Nem o que se seguirá até ao Verão. Mas, numa Primavera eleitoral europeia que ainda não acabou e já elegeu o primeiro presidente socialista francês desde Miterrand e virou do avesso o sistema partidário grego, foram dados sinais poderosos de que os cidadãos querem outra saída para a crise. Dentro de dias haverá mais uma eleição estadual na Alemanha, hipotéticas legislativas gregas em semanas e, o que é crucial, as legislativas francesas.

Entretanto, os políticos portugueses parecem distraídos. Aceitam um papel de subalternidade à UE e à troika que não é destino, como nos querem convencer, mas escolha. Com essa apática certeza podemos contar. Infelizmente.

Sem comentários :

Enviar um comentário

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.