quarta-feira, 2 de novembro de 2011

O regresso da democracia?

Todos os estados da UE são democracias, mas a UE não é uma democracia. Este axioma serviu na era do mercado único, mas tornou-se insustentável em dez anos de moeda única.

Anteontem, Georges Papandreou blasfemou, ao anunciar que será o próprio povo grego a decidir, em referendo, sobre o enésimo pacote de austeridade que esse mesmo povo sofrerá, embora decidido pelo BCE e por políticos eleitos por outros povos.

As reacções foram violentas: quer do lado de mercados, bancos, bolsas e agências de rating, quer do lado de líderes, mais preocupados com essas entidades que com os cidadãos a quem, teoricamente, devem a sua legitimidade decisória. Mas se os mercados se enervam com a instabilidade política das democracias nacionais, as pessoas estão ainda mais fartas da instabilidade que a UE realmente existente trouxe às suas vidas.

A menos que a oposição o trave, ou que Papandreou seja um tacticista que quer subir a parada, o seu gesto poderá assinalar o regresso da democracia a uma Europa construída por primeiros-ministros reunidos à porta fechada e obcecados com a estabilidade monetária e não com o empregos.

Não havendo condições para avançar para a democracia de âmbito europeu, recuar para democracias nacionais é o mal menor. Caso contrário, a fractura entre os decisores europeus e os povos do continente assemelha-se cada vez mais a uma ditadura de novo tipo.

9 comentários :

  1. Discordo veementemente do uso deste tipo de terminologia: "ditadura do capital". Se a ideia é fazer uma analogia, a analogia é fraquíssima porque naquilo em que as ditaduras são horríveis e eticamente condenáveis, a analogia com o capital deixa não existe.

    ResponderEliminar
  2. Lapso: deixa não existe -> não existe (ou deixa de existir).

    ResponderEliminar
  3. http://www.youtube.com/watch?feature=player_detailpage&v=5LQAYkP1aMg

    É importante que vejam isto.

    ResponderEliminar
  4. "Todos os estados da UE são democracias, mas a UE não é uma democracia"

    A democracia da UE (Parlamento Eleito, Comissário Eleito pelo PE e Conselho, etc.) é a democracia que os chefes de Estado (o Conselho) permitem. São os eleitos em democracias que limitam a democracia na UE. O Parlamento Europeu não tem mais poder porque Papandreous, Sarkozys e Merkels não deixam.

    ResponderEliminar
  5. "mas a UE não é uma democracia".

    Diz Ricardo Alves, diz Vaclav Klaus (amigo do Rui Curado Silva), e dizem muito bem. Marcha a ré a todo o vapor!

    ResponderEliminar
  6. Antes uma desunião democrática que uma tirania.

    Eu sempre fui europeísta e tenho muita pena que, por causa disto, o projecto europeu sofra um retrocesso irreparável por muitos anos.

    O que existe não é uma democracia verdadeira, é certo. Mas sempre esperei que se pudesse levar tudo a bom porto.

    Se é o verdadeiro desejo dos gregos sair do Euro, pois que saiam. Espero que não se faça como na Irlanda.

    ResponderEliminar
  7. ó filho democracia implica liberdade para fazer escolhas

    nã é escolha queres ser assado ou preferes ser grelhado em fogo lento

    nã diria QUE HÁ escolha

    aqui o pessoal que anda ao lixo ou anda ao metal ou aos restos de pizza hut

    os últimos têm escolha entre a pizza hut e os frangos de churrasco ocasionalmente uma lata de comida para gato e restos putrefactos

    pronto´é a democracia da escolha a funkcionár iu

    ResponderEliminar
  8. Agora vou ser advogado do diabo...

    ... entäo e se o povo grego aceitar o "pacote" negociado pelo Conselho de Ministros Europeu?

    Se näo aceitar, a Merka já disse, a 8.a (já vai na OITAVA!) correspondente a [muito milhäo de aéreos] é retido.

    Täo querido é o Papandreu. Só se lembrou de perguntar ao povo à 8.a tranche. Antes tarde do que nunca? Certo... mas eu é que näo acredito que ele esteja a agir de boa fé... cheira-me que esta "pulsäo democrática" tem mais a ver com ele estar FINALMENTE a ir ao bolso aos amigos ricos. Os tai que fogem descaradamente aos impostos, cuja cobrança vai ser intensificada e verificada pelo BCE/FMI/UE segundo os termos do pacote de ajuda.

    Continuando com as diabices: se a pergunta do referendo for "quer continuar na Zona Euro?" entäo é uma beleza. Um SIM dá direito a aceitar o pacote de ajuda negociado a semana passada.

    O povo que decida. No curto prazo o NÄO afectará principalmente as poupanças... que neste momento só os ricos devem ter, e säo facilmente transferíveis para bancos da Euroländia.

    ...

    A analogia das práticas horríveis e eticamente condenáveis com o capital não existe? As patentes médicas que impedem vacinas a preço baixo para os países pobres, a exploraçäo de recursos naturais nos países do 3.o Mundo pelas multinacionais, a miséria crescente nos países capitalistas, é resultado do quê?

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.