quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Anders Breivik: um louco isolado?

Após o choque inicial e 15 minutos mediáticos, o ataque de Oslo e o massacre de Utoya foram quase esquecidos, debaixo da tranquilizadora noção de que Anders Breivik seria um louco isolado. Mas, por confortável que seja distanciarmo-nos de um terrorista remetendo-o ao foro psiquiátrico, a realidade é mais perturbadora. Dificilmente um genuíno doente mental teria conseguido planear durante anos, fria e habilmente, o terceiro pior ataque terrorista em solo europeu desde 1945 (apenas ultrapassado pelos atentados de Atocha em 2004 e Bolonha em 1980). Monstro será. Louco não.

E Breivik também não está isolado. As suas ideias entroncam na teoria do "choque de civilizações", que dominaram o discurso jornalístico e académico desde outro inesperado atentado, dez anos antes, em Nova Iorque. Descontada a apologia da violência civil, o seu extremismo indigenista é comum a muitos movimentos xenófobos e personalidades políticas que detêm 10% a 25% dos votos, da Noruega à França dos Le Pen, passando pelo holandês Wilders.

Na violência confirmou-se esta semana que também não está sozinho, ao descobrir-se na Alemanha uma rede neo-nazi responsável por dez homicídios. Significativamente, os serviços secretos conheciam-nos mas não os incomodavam, obcecados que estavam com os estrangeiros islamitas.

Tome nota: em 2011 o terrorismo na Europa mudou.

4 comentários :

  1. Permite-me que discorde. O terrorismo na Europa näo mudou, continua a ser feito por fundamentalistas. A diferença é que descobriram que também os há branquinhos.

    O monstro bem quer berrar que fez tudo sozinho (que versátil e inteligente!), näo se väo descobrir os amigos.

    Mas lixou-se, que o PM norueguês disse logo que "acabou a ingenuidade". Na Alemanha demoraram 10 anos porque dos mortossó um era alemäo.

    ResponderEliminar
  2. Acho que concordamos. ;)

    Eu queria justamente dizer que o terrorismo continua a ser feito por fascistas. Só mudámos dos islamofascistas para os indigenofascistas.

    ResponderEliminar
  3. E também queria chamar a atenção para o desinteresse (político, mediático e da escumalha dos serviços secretos), pelo terrorismo feito por «brancos».

    ResponderEliminar
  4. Faltou escrever "antes do mais, um excelente artigo", é verdade. É óbvio que concordamos, foi apenas um aparte... semântico! :D

    Olha que aqui pelos Nortes o assunto continua na ordem do dia, näo todos os dias, mas volta e meia há artigos e documentários sobre racismo na sociedade, e o monstro vem logo à baila. Aí pelo Sul o pessoal só pensa na espada de Dâmocles das troykas...

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.