segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Empreendedorismo em Portugal - as mentiras e os factos

Todos conhecemos a tese: em Portugal o estado é omnipresente, estabelece uma infinidade de leis que pretendem regulamentar cada detalhe de qualquer negócio, e em consequência cria inúmeras dificuldades aos empreendedores. É por isso que que existe muito pouco empreendedorismo em Portugal. Essa é, aliás, uma das causas do nosso atraso: a falta de empreendedores, que resulta de uma legislação e de um conjunto de políticas que dificultam a criação de novos negócios.
Por isso, todos querem trabalhar por conta de outrem, por isso é que os gestores têm salários tão acima dos trabalhadores, por causa da falta de empreendedores é que existem tantas desigualdades. Quem se queixa dessas desigualdades deveria sim criar o seu negócio.

Por muitos erros que identificasse neste discurso, sempre acreditei que haveria pelo menos uma réstia de verdade. Pelo menos, sempre acreditei que em Portugal existissem mais trabalhadores por conta de outrem que na generalidade dos países desenvolvidos. E que existisse uma correlação positiva entre as políticas associadas ao liberalismo de direita e a taxa de trabalhadores por conta própria (empreendedores).

Fiquei estarrecido ao ler este excelente texto do Miguel Madeira, que suscitou em mim alguma curiosidade. Tinha de encontrar os dados a que ele se refere.

Este texto, também do Miguel Madeira, apresenta dados da OCDE (no que diz respeito à taxa de trabalhadores por conta própria), e da Heritage Foundation (no que diz respeito à «Liberdade Económica» - em que medida são seguidas as medidas preconizadas pelos liberais de direita), que aqui reproduzo:



Auto-
emprego
"Liberdade Económica"
Australia 12,6 82,7
Austria 11,8 71,3
Belgium 13,6 74,5
Canada 9,2 78,7
Czech Republic 15,3 69,7
Denmark 7,8 77,6
Finland 12 76,5
France 8,9 66,1
Germany 11,2 73,5
Greece 30,1 57,6
Hungary 13,3 66,2
Iceland 14,1 77,1
Ireland 16,6 81,3
Italy 24,9 63,4
Japan 10,2 73,6
Korea 27 68,6
Luxembourg 6,5 79,3
Mexico 28,5 65,8
Netherlands 11,1 77,1
New Zealand 17,8 81,6
Norway 7,1 70,1
Poland 20,4 58,8
Portugal 23,5 66,7
Slovak Republic 12,6 68,4
Spain 16,5 70,9
Sweden 9,6 72,6
Switzerland 9,3 79,1
Turkey 29,1 59,3
United Kingdom 12,7 81,6
United States 7,3 82



E não é que Portugal é o quarto país da OCDE com mais «empreendedores», apenas ultrapassado pelo México, pela Turquia e pela Grécia? Sim, leram bem: a Grécia é o único país da UE com mais empreendedores que nós.
E os Estados Unidos da América, símbolo de uma nação rica que dá lições à Europa no que diz respeito à promoção do empreendedorismo, são o terceiro país da OCDE com menos empreendedores. Têm uma taxa de trabalhadores por conta própria cerca de três vezes menor que a portuguesa.

Na verdade, a correlação entre o índice da Heritage Foundation para a «liberdade económica» e a proporção de empreendedores na população é negativa.

Como é possível que todo o debate público esteja contaminado por uma percepção tão desadequada da realidade? Como é possível que o facto de Portugal ser dos países desenvolvidos com mais empreendedores - em proporção temos uma quantidade superior ao triplo da que existe nos EUA - tenha passado despercebido, sendo o discurso sempre no sentido de culpar a falta de «empreendedorismo» por quase todos os nossos males?

Tal enviesamento, a meu ver, só encontra explicação no poder que o dinheiro tem para condicionar o debate público. Para este problema só existe uma resposta: espírito crítico.