domingo, 12 de setembro de 2010

Não se importem de repetir: não há consequências

As críticas do Conselho de Administração da RTP, do Provedor do Telespectador e da Entidade Reguladora para a Comunicação Social à tentativa de «inocentação» mediática do condenado Carlos Cruz chegam tarde demais: o mal já está feito. Carlos Cruz conseguiu numa semana lançar dúvidas e suspeições que o terão inocentado aos olhos de muita gente (o atraso na entrega do acórdão, e o site, que eu não vou lincar, também contribuem para que a formação de opinião lhe esteja, presumivelmente, a ser favorável).

Incrível é que não haja consequência alguma. O Conselho de Administração não demite ninguém? O governo cala-se?

12 comentários :

  1. Ricardo Alves

    Um facto, só um facto.

    O caso Casa Pia foi, em primeiro lugar, "julgado" na praça publica, os arguidos à muito tinham sido condenados pela "turba", é natural que a defesa se faça da mesma forma, Carlos Cruz serviu-se dos meios que conhece bem para o fazer? É um facto que é aceite por aquilo que se passou no inicio do processo.

    ResponderEliminar
  2. António Costa,
    o «Rei Ghob» já está condenado «pela turba» por três homicídios. Acha que quando for condenado pelos tribunais também será entrevistado pela Judite Sousa e também irá ao «Prós e Contras»?

    ResponderEliminar
  3. Concordo inteiramente com as tuas críticas ao tratamento dado ao Carlos Cruz, mas por que é que o governo se deveria pronunciar?

    ResponderEliminar
  4. 1. A direção de informação da RTP é totalmente independente do governo.

    2. Não deve ter havido uma declaração pública do governo sobre a programação da rtp nas últimas duas décadas.

    3. Se o governo tentasse interferir nas decisões da rtp, cairia - e ainda bem - o carmo e a trindade. Não é essa a sua função.

    Parece-me que estás a querer colar o governo à escolha da rtp, de um modo um pouco atabalhoado.

    ResponderEliminar
  5. Não sei, mas a mediatização do processo não é nem nunca vai ser comparável, andámos quase 8 anos a falar disto todos os dias, haviam os simpatizantes de um lado e os simpatizantes de outro, figuras publicas vinham à televisão falar sempre que havia desenvolvimentos no processo, ou era a Catalina Pestana ou o Bagão Felix ou os advogados das partes ou os Mestres ou sei lá quem, isto tudo durante 8 anos.

    Durante o período de instrução do processo e do julgamento existia o Ministério Publico como acusador nos Tribunais e a Catalina Pestana e o Bagão Felix na televisão, e eu nunca vi nem ouvi ninguém levantar a voz contra essas figuras, que no meu ver são bem sinistras.

    ResponderEliminar
  6. 1. O Conselho de Administração da RTP é nomeado pelo governo. A Direcção de Informação é nomeada pelo Conselho de Administração.

    2. Exemplo de declarações do governo sobre a RTP:

    http://www.ionline.pt/conteudo/58202-futebol-governo-pede-explicacoes--administracao-da-rtp

    3. A RTP esteve a colocar em causa, directamente, as decisões de um órgão de soberania. Um acontecimento tão grave justificaria reparos do governo. E é escandaloso que o governo nada tenha dito.

    ResponderEliminar
  7. 1. Tal como o Governador do Banco de Portugal também é eleito pelo Governo, mas não depende dele, a Direção de Informação não tem que responder perante o Conselho de Administração.

    2. Estás a brincar?
    Isso são declarações sobre um negócio, não sobre o conteúdo.

    3. Eu não tenho essa visão absolutista do Governo. Se alguém tem a obrigação de fazer respeitar os órgãos de soberania na nossa Constituição, será o PR. Mas mesmo o PR, não faz qualquer sentido interferir na programação de um canal de televisão.

    ResponderEliminar
  8. Ricardo,

    A RTP não pode contestar as decisões de orgãos de soberania???? Bolas, que visão tão socialista da independência dos orgãos de comunicação social...

    ResponderEliminar
  9. Não sei o que é que o socialismo tem a ver com isto, «Tonibler».

    O que está em causa é a RTP pegar num recém-condenado por crimes de abuso sexual de menores e: a) transmitir-lhe a conferência de imprensa; b) dar-lhe um lugar de destaque no principal programa de debate, para se defender; c) convidá-lo para a principal entrevista semanal.

    Repito: é um condenado por crimes. O que a RTP fez, objectivamente, foi ajudar à ideia de que a Justiça não funciona, que condenou um inocente e etc.

    ResponderEliminar
  10. A RTP ajudou à ideia de que a justiça não funciona?? Bolas, Ricardo, onde é que eles foram buscar essa ideia absurda??

    Ricardo, aquilo que está a dizer é que a RTP deveria noticiar o bom funcionamento das instituições mesmo que os seus jornalistas não tenham essa opinião ou que os factos mostrem o contrário. Já agora, deviam impedir que o Passos Coelho aparecesse na televisão a ajudar à ideia de que o Sócrates é uma nódoa ou que o Manuel Alegre viesse dizer que o Cavaco é um corta-fitas.

    É sem dúvida uma visão socialista do papel da comunicação social, veicular a visão do poder.

    Quanto a ser um codenado, também Mário Soares é. Curiosamente pelo mesmo sistema judicial, embora não pela mesma lei.

    ResponderEliminar
  11. Repito: não entendo o que é que o socialismo tem que ver com isto, e o anónimo «Tonibler» ainda não o explicou.

    Se o «Rei Ghob» for condenado por três homicídios e alegar que está inocente, quero ver se a RTP o vai convidar para um «Prós e Contras» e para uma entrevista com a Judite de Sousa...

    E não tenho conhecimento de qualquer condenação de Mário Soares por um crime de sangue.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.