quinta-feira, 7 de abril de 2011

A quem beneficia o crime?

Os beneficiários imediatos da intervenção externa são os mesmos que a ordenaram: os bancos. Que não venham a sofrer com o FMI, mostra como o sistema é injusto e tem que ser alterado, desde logo fazendo a banca pagar um IRC a sério. Mas, independentemente da receita que agora será aplicada, vamos ter que pensar como evitaremos situações semelhantes no futuro. E persistir no modelo actual da UE, em que tudo é decidido em alemão e pensando apenas nos interesses dos países do ex-directório, será repetir um erro.

5 comentários :

  1. Quanto mais podre o cadáver, melhor para os abutres.

    ResponderEliminar
  2. até o banqueiro anarquista deve ter as contas na suiça

    falam de alto porque são subsidiados todos os meses pelo estado
    ou por privados que trabalham para o estado

    ResponderEliminar
  3. "Que não venham a sofrer com o FMI"

    Como é que sabe que não irão? Muito possivelmente até irão mesmo! Muito possivelmente o FMI obrigará mesmo a aumentar o IRC, inclusivé para a banca! E muito possivelmente acabarão os benefícios fiscais a certos produtos de poupança, como aqueles que têm duração igual ou superior a 8 anos!

    ResponderEliminar
  4. E muito possivelmente acabarão os benefícios fiscais a certos produtos de poupança, como aqueles que têm duração igual ou superior a 5 e 8 anos

    desde que não o façam à maneira Argentina ou a do Brasil do cruzado

    matam a confiança durante uns anitos pelo menos

    ResponderEliminar
  5. "Os beneficiários imediatos da intervenção externa são os mesmos que a ordenaram: os bancos"

    e as poupanças dos portugueses que têm depositadas, talvez.

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.