sexta-feira, 1 de abril de 2011

Nobel da Economia vs Lambe-Botas da Economia




Esta semana na sua homilia matinal no Bom Dia Portugal da RTP, Camilo Lourenço (Cor do Dinheiro) escandaliza-se com Krugman, diz ele que o "Paul" não sabe o que se passa em Portugal. Mas o "Paul" é especialista em crises financeiras e o Camilo é mais especialista em vénias ao mercado. Para o Camilo aquilo que se passa nos mercados é normalíssimo, é normal ser atribuído à Grécia pior rating do que ao Egipto, um país a ferro e fogo. Não se lhe ouve crítica aos mercados financeiros, Camilo refere-se com deferência aos mercados, os mercados são "quem nos empresta dinheiro", diz ele. Não fossem os Estados tapar o buraco mundial criado em 2008 pelos mercados financeiros e queria ver onde estava agora "quem nos empresta o dinheiro". Aliás a linha de análise dominante da nossa imprensa económica e do comentário económico é ainda pior e pauta-se por um lambe-botismo descarado a empresas financeiras responsáveis por graves crimes, desemprego e aumento da pobreza. Do Diário Económico a Medina Carreira (este em registo mais ignorante e populista) reina o lambe-botismo.

3 comentários :

  1. ó mal não vos cabe a vós

    quem vos a si mal causou

    tristes de seus olhos sós

    que trouveram quem roubou

    ResponderEliminar
  2. o este em registo mais ignorante é...
    dor de cotovelo birtual?

    se não fossem os estados a sociedade tinha recuado anos e tal como nos anos 30 ou nos anos 20 na Alemanha a estrutura voltaria em muitas regiões a um regime de troca

    requisições forçadas para alimentar as cidades fome etc

    o sistema é mau
    poderia ser mais regulamentado e espartilhado

    mas isso teria impactos na expansão economica mundial

    e a crise de 2008 mortal para o estado social europeu

    permitiu a ascensão de 2300 milhões de pessoas a melhores condições de vida

    miseráveis sobre os padrões ocidentais

    mas muito melhores do que as que tinham anteriormente

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.