terça-feira, 5 de abril de 2011

Cavaco Silva e o terrorismo de extrema-direita

Um mercenário português, a cumprir pena em território nacional, declarou a um tribunal espanhol que Cavaco Silva «lhe deu ordem» para não falar dos GAL - o grupo terrorista que nos anos 80 matou elementos próximos da ETA ou tidos como tais. É «segredo de Estado» há um quarto de século. E quando um dia se souber a verdade?

6 comentários :

  1. "Terrorismo de extrema direita"? Julguei que os GAL fossem terrorismo de centro-esquerda!

    ResponderEliminar
  2. Então informa-nos - tal como eu, de certeza que a maioria dos leitores pensa o mesmo dos GAL.

    ResponderEliminar
  3. Filipe,
    nem pensei que a pergunta fosse a sério.

    Os GAL eram uma sobrevivência do franquismo dentro de instituições do Estado espanhol (serviços de informações e polícias). Como sabes, em Espanha não houve os «saneamentos» do nosso 25 de Abril. Que um governo do PSOE tenha tolerado/fechado os olhos/encoberto os GAL não torna o PSOE em mandante. A minha leitura, se queres saber, é que os do PSOE consideraram que não tinham espaço dentro das instituições para apear os franquistas que andavam a matar bascos separatistas. Mesmo assim, fizeram mal. Mas daí a atribuir uma ideologia de centro-esquerda aos GAL...

    ResponderEliminar
  4. Amedo ha señalado a González, al exministro del Interior José Barrionuevo y al exsecretario de Estado de Seguridad Julián Sancristóbal como creadores de los GAL, y ha afirmado que contaron con el consentimiento de el exsecretario general de los socialistas vizcaínos Ricardo García Damborenea y otros cargos del PSE como Txiki Benegas o Ramón Jáuregui para atentar en Francia, una acusación que Amedo ha mantenido en otras ocasiones

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.