terça-feira, 26 de abril de 2011

Revista de blogues (26/4/2011)

  • «A mesma inteligência política que levou Pedro Passos Coelho a rodear-se de grandes cabeças como Miguel Relvas e Marco António Costa, ou a convidar Fernando Nobre para cabeça de lista em Lisboa, fá-lo agora exibir em público a sua "vida familiar" (ou o que é suposto que parte do eleitorado pense que é a sua "vida familiar"). Como é óbvio, tornar a dita numa questão política por causa da sua incapacidade para gerar "confiança" junto de boa parte dos portugueses que votam, é um risco muito grande e uma insensatez que pode ter um custo pessoal e político demasiado alto. Tão grande e tão alto que eu me pergunto como é que deve reagir o eleitorado, agora ou mais tarde, se se souber que a vida pessoal de Passos Coelho pouco ou nada tem a ver com aquela que nos anda a mostrar (e/ou a esconder)?» (Fernando Martins)