segunda-feira, 19 de abril de 2010

Pacheco Pereira e o Papa

É de enaltecer a candura com que um conservador como Pacheco Pereira confessa as razões da sua admiração pelo Papa. No fundo, para Pacheco Pereira, B16 é um bombardeiro ideológico contra o «marxismo», combate do qual, em pleno século 21, o ex-maoísta ainda não desistiu.
  • «Para mim, o que é mais interessante na identidade da Igreja é aquilo que penso ser socialmente virtuoso nessa identidade. Especialmente, num país como Portugal cuja soberania, independência e identidade está ligada à Igreja. Bento XVI tem uma noção de reforço dessa identidade de combate ao relativismo e do combate a um conjunto de teorias – caso da Teologia da Libertação – que transformava o cristianismo numa espécie de progressismo político muito influenciado pelo marxismo. Estes aspectos da reflexão do Papa são interessantes.» (Agência Ecclesia)