segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Revista de blogues (24/1/2011)

  • «Percebe-se como foi difícil substituir Soares e Sampaio, duas referência da resistência à ditadura e cidadãos de enorme cultura cívica e política. Ninguém podia esperar que tão elevados padrões de patriotismo se eternizassem, e o País tornou-se mais indulgente.

    A História é feita de grandes vultos e de pessoas vulgares, de quem foi preso e torturado sem lhe arrancarem uma confissão e de quem voluntariamente lhe adiantava nomes; de quem arrostou o exílio e de quem se acomodou à ditadura, de quem sacrifica tudo pelos nobres ideais e de quem tem ideias para ganhar a vida e proteger a família.


    Uns foram perseguidos, difamados, demitidos da função pública ou deportados, outros aproveitaram as portas que se abriram.


    A partir de hoje, V. Ex.ª é de novo PR, eleito à primeira volta, por vontade do povo. Merece-o porque teve de sujeitar-se a eleições, embora as considere caras, e porque é apanágio da democracia o sufrágio universal e secreto que o reconduziu no cargo.


    Claro que o caso das escutas, uma ameaça ao Estado democrático, exige as explicações que recusou dar, certamente para proteger a reeleição, mas de que a dignidade do cargo não pode prescindir. Basta para o diminuir o caso das acções da SLN e os intervenientes nesse lucrativo negócio quando era – segundo as suas palavras – um mísero professor.

    (...)
    Não podendo ter um presidente de elevado gabarito intelectual e de assinalável cultura, apesar de catedrático de Literatura pela Universidade de Goa, o país precisa de saber que tem um PR alheio aos biltres que vigarizaram o País com a SLN e as negociatas de terrenos que obrigaram à transferência do aeroporto da Ota.» (Carlos Esperança)