sábado, 29 de janeiro de 2011

«Não se pode escolher a escola dos filhos»?!

Estou farto da chachada do «os pais não podem escolher a escola dos filhos». A verdade é que podem. Primeiro, pode-se escolher inscrever os filhos no ensino público da área de residência ou da área de trabalho. Segundo, podem-se seriar as escolhas de escolas da área que se escolheu. Terceiro, pagando também se pode escolher ir para uma escola privada sem contrato de associação (e com esta polémica estamos a chegar à conclusão de que se pode optar pelo ensino público e escolher uma escola privada livre de encargos para os pais, ou seja, com contrato de associação).

O que não se pode fazer é viver em Gaia, trabalhar no Porto, e chegar a Lisboa e dizer: «quero que os meus filhos entrem nesta escola que aqui está, que tenham os professores que eu quero, com a pedagogia de que gosto e com os professores que me apetece, e que o Estado me pague tudo isso». Para começar, pela razão muito prática de que seria perfeitamente impossível gerir um sistema de ensino em que os pais escolhessem tudo e mais alguma coisa. Além disso, porque a escola pública não existe para satisfazer os caprichos dos pais. E, já agora, porque não haveria dinheiro para tudo.